Editorial: O bom senso volta ao Supremo