Editorial: Quem paga esse rombo