Editorial: Só votar não basta