Eliane: “O Governo tende a lavar as mãos se houver tumulto de rua pela eleição”

Laís Gottardo

30 de junho de 2022 | 10h25

O escândalo das denúncias contra Pedro Guimarães, de assédio sexual, vem à tona numa sequência de péssimas notícias para o presidente Bolsonaro em várias áreas, enquanto a CPI do Ministério da Educação avança. Sobre o assunto, Eliane diz: “Quem disputa reeleição é vidraça – tudo que acontece no governo acaba respingando sobre o candidato. Então tem a situação econômica, o assassinado de Dom Phillips e Bruno Pereira e, agora, tem o pastor, ex ministro do MEC, preso, além de Pedro Guimarães caindo. E o pior: o governo sabia”.

Coordenador da campanha à reeleição de Jair Bolsonaro (PL), o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) afirmou que o presidente não terá como controlar uma eventual reação violenta de apoiadores que contestem o resultado das urnas. Flávio não quis confirmar se Bolsonaro reconheceria uma derrota, mas negou que planeje estimular um levante. “Algo incentivado pelo presidente Bolsonaro, a chance é zero”, disse ele em entrevista ao Estadão. “O Governo, no mínimo, tende a lavar as mãos se houver tumulto de rua dependendo do resultado da eleição”, opina Cantanhêde.

#PerguntePraEliane

Os ouvintes podem mandar perguntas para Eliane Cantanhêde pelas redes sociais da Eldorado e pelo WhatsApp no quadro #PerguntepraEliane. Para participar, basta encaminhar suas perguntas com essa hashtag para o perfil da Rádio Eldorado no Facebook, cujo endereço é facebook.com/radioeldorado. O perfil do Twitter é @eldoradoradio e do Instagram, @radioeldorado. O telefone para participar via WhatsApp é (11) 99481-1777.

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!
Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Editorial Estadão”) para você ter acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.