Eliane: ”Terrivelmente evangélico’ não pode ser carimbo para ministro’

Laís Gottardo

02 de dezembro de 2021 | 09h59

O novo ministro do Supremo Tribunal Federal André Mendonça ressaltou nesta quarta-feira o peso de sua chegada à Corte para os evangélicos, em seu primeiro pronunciamento após ser confirmado pelo Senado. Mendonça disse que agora os evangélicos, cerca de 40% da população, serão representados por ele na Suprema Corte. No pronunciamento, o ministro Mendonça adotou tom mais proselitista do que durante a sabatina, quando fez concessões e disse que vai seguir a Constituição. Em coletiva de imprensa, o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública e ex-advogado-geral da União, afirmou que a decisão foi ‘um salto para evangélicos do Brasil’.

A Polícia Federal cumpriu nesta quarta-feira mandados de busca e apreensão em quatro municípios do Maranhão, em investigação sobre desvio de verbas de prefeituras relacionadas a emendas parlamentares. O alvo é o deputado federal Josimar Maranhãozinho (PL-MA). A autorização partiu da ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, que também é relatora de ações que pedem o fim das emendas de relator-geral, base do orçamento secreto, esquema revelado pelo Estadão em maio.

#PerguntePraEliane

Os ouvintes podem mandar perguntas para Eliane Cantanhêde pelas redes sociais da Eldorado e pelo WhatsApp no quadro #PerguntepraEliane. Para participar, basta encaminhar suas perguntas com essa hashtag para o perfil da Rádio Eldorado no Facebook, cujo endereço é facebook.com/radioeldorado. O perfil do Twitter é @eldoradoradio e do Instagram, @radioeldorado. O telefone para participar via WhatsApp é (11) 99481-1777.

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!
Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Editorial Estadão”) para você ter acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.