Especialistas explicam como usar a nota do Enem; ouça no podcast ‘Se Liga no Vestibular’

Emanuel Bomfim

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.

O ‘Se Liga no Vestibular’ é uma série de podcasts do Estadão sobre a maratona de vestibulares. Passado o Enem, agora é hora de saber como usar a nota do exame para ingressar em uma universidade. Neste sexto episódio, as jornalistas Ana Paula Niederauer e Paloma Cotes ouviram especialistas que explicam como usar a nota para estudar em universidades públicas ou privadas. E os conselhos não se restringem às faculdades brasileiras. Especialistas ensinam também como usar a nota do Enem para estudar em Portugal, Reino Unido, França, Canadá, entre outros.

 

O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) é um programa que considera as notas do Enem para selecionar candidatos em instituições (federais e estaduais) brasileiras. Mais de cem universidades espalhadas pelo Brasil oferecem vagas pelo Sisu. Uma das últimas universidades a adotar a seleção também via Sisu, a Universidade de São Paulo (USP) oferece 2.830 das suas 11.260 vagas em 2020 para quem pretende usar as notas do Enem.

 

Algumas instituições possuem notas mínimas para determinados cursos. A exigência principal, porém, é que o estudante não pode zerar a nota de redação do Enem. No primeiro semestre de 2019, foram ofertadas 235.461 vagas em 6.435 cursos de 129 instituições públicas. Já no segundo semestre foram 59.028 vagas em 1.731 cursos de 76 instituições.

 

Participam dessa edição: Hydnea Ponciano Domingueti, gerente de avaliações da Somos e Matheus Tomoto, que é fundador e mentor da Universidade do Intercâmbio. E também tem uma entrevista sobre a importância da atividade física com Aulus Sellmer, que é preparador físico, colunista da Rádio Eldorado, e proprietário da assessoria esportiva For Anyone.

 

(Foto: Helvio Romero/Estadão)

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato