‘Estadão Notícias’: Adorado por bolsonaristas, Weintraub vira dor de cabeça no governo

‘Estadão Notícias’: Adorado por bolsonaristas, Weintraub vira dor de cabeça no governo

Gustavo Lopes Alves

17 de junho de 2020 | 06h00

Abraham Weintraub, um dos símbolos do bolsonarismo no governo, pode estar com os dias contados. Apesar de ter um discurso afinado com boa parte dos apoiadores do presidente, principalmente com os chamados olavistas, as posições do ministro da Educação têm causado problemas para Jair Bolsonaro. Desde a divulgação da reunião ministerial, na qual chama os ministros do STF de “vagabundos”, a situação de Weintraub só piorou. No último final de semana, a participação do titular do MEC em uma manifestação, em Brasília, desagradou o presidente Jair Bolsonaro. Segundo informações do Estadão, já se cogita a possibilidade de uma demissão do ministro.

Afinal, o ministro pode se tornar um agente político para a direita, a ponto de rivalizar com o presidente Jair Bolsonaro? E o que Weintraub fez efetivamente para a Educação desde que assumiu a pasta? Na edição de hoje, conversamos sobre esse assunto com a repórter especial do Estadão, Renata Cafardo, e com o cientista político do Mackenzie, Roberto Gondo.

OUÇA O ‘ESTADÃO NOTÍCIAS’ TAMBÉM NO YOUTUBE

Todas as edições deste podcast também são publicadas no canal do Estadão no Youtube. Para ouvir gratuitamente nesta plataforma, é só clicar aqui.

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!

Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!

Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.