‘Estadão Notícias’: Qual tamanho da tragédia do Brasil no Pisa? Podcast discute o tema

‘Estadão Notícias’: Qual tamanho da tragédia do Brasil no Pisa? Podcast discute o tema

Emanuel Bomfim

06 de dezembro de 2019 | 06h00

Na maior avaliação de educação básica do mundo, o Pisa, o Brasil segue em situação lastimável, entre os piores do mundo. O País está, por exemplo, em 54º lugar em Leitura, principal área avaliada nesta edição – são 79 países participantes. Apesar da situação preocupante, os dados do Pisa mostram que houve uma leve melhora.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, atacou e culpou os governos petistas pelo resultado do Brasil. Como a comunidade educacional recebeu a performance brasileira? O Pisa atesta um futuro comprometido para as próximas gerações no Brasil? Qual é o tamanho do abismo no desempenho de alunos do sistema público e de escolas privadas?

 

Conversamos sobre o tema na edição de hoje do podcast com a repórter especial de educação, Renata Cafardo. Ainda participa Gabriel Corrêa, Gerente de Políticas Educacionais do “Todos Pela Educação”.

 

OUÇA O ‘ESTADÃO NOTÍCIAS’ TAMBÉM NO YOUTUBE

Todas as edições deste podcast também são publicadas no canal do Estadão no Youtube. Para ouvir gratuitamente nesta plataforma, é só clicar aqui.

 

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!

Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

 

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!

Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

 

O ministro da Educação, Abraham Weintraub (Foto: Adriano Machado/Reuters)

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.