Expresso: Ações de violações de direitos humanos triplicam na pandemia

Laís Gottardo

11 de outubro de 2021 | 13h29

O número de casos na Justiça brasileira relacionados a violações de direitos humanos no primeiro ano da pandemia teve um salto sem precedentes na série que acompanha, desde 2014, a evolução das disputas judiciais. Em 2020, o número de novas ações triplicou em relação ao ano anterior. Foram quase 65 mil registros em tribunais do País, ante cerca de 19 mil em 2019.  A alta no número de casos foi puxada por demandas de assistência social, que correspondem a 71% dos registros. Em seguida, vêm as relacionadas a pessoas com deficiência.  Os dados foram reunidos pelo Conselho Nacional de Justiça. 

De folga no litoral paulista, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que caso o Congresso Nacional derrube o veto dele no PL que previa a distribuição gratuita de absorventes higiênicos, ele irá “tirar o dinheiro da Educação e da Saúde” para custear a ação. A decisão de vetar a distribuição gratuita dos itens de higiene foi publicada na edição desta quinta-feira do “Diário Oficial da União”. Bolsonaro argumenta que o texto do projeto não estabeleceu fonte de custeio sendo, portanto, inconstitucional.

E mais: O real responsável pelo fim dos Beatles segundo Paul MacCartney e a viagem do real capitão Kirk ao espaço. Ouça estas e outras notícias desta segunda-feira, 11, no “Eldorado Expresso”.

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!
Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!
Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.