Expresso: ‘Crimes de Bolsonaro são mais graves que de Collor e Dilma’, diz Reale Jr.

Laís Gottardo

16 de setembro de 2021 | 13h28

Os crimes de Jair Bolsonaro na pandemia são mais graves do que aqueles que levaram ao impeachment de Fernando Collor, em 1992, e Dilma Rousseff, em 2016. A afirmação é do ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior, coordenador do grupo de juristas que apontou à CPI da Covid sete crimes cometidos pelo presidente da República. Em entrevista à Rádio Eldorado, o autor dos outros dois pedidos de impeachment da história brasileira disse que os elementos para responsabilizar Bolsonaro são mais fortes.

O Ministério da Saúde publicou hoje uma nota informativa em que volta atrás sobre a vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidades. Agora, a orientação da pasta é que não seja feita a vacinação deste grupo. Assim, a vacinação deve ficar restrita a três perfis específicos: adolescentes com deficiência permanente, adolescentes com comorbidades e adolescentes que estejam privados de liberdade. A nota informativa desta quinta contraria outra publicada pela pasta em 2 de setembro, que recomendava a vacinação para esses adolescentes a partir do dia 15.

E mais: O piso salarial dos professores em último lugar num ranking de 40 países e a inflação nas alturas que leva o pé de frango à mesa do brasileiro. Ouça estas e outras notícias desta quarta-feira, 15, no “Eldorado Expresso”.

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!
Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!
Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.