Expresso: Gilmar pauta suspeição, mas Fachin indica adiamento de julgamento de Moro na 2ª Turma do STF

Laís Gottardo

09 de março de 2021 | 13h23

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu colocar na pauta da 2ª Turma da Corte desta terça, 9, o habeas corpus em que a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pede que seja declarada a suspeição do ex-juiz Sergio Moro no processo do triplex do Guarujá, o que poderia contaminar outras ações envolvendo o petista na Operação Lava Jato. Caso Moro seja declarado suspeito, as provas colhidas contra Lula podem ser anuladas. Após a ofensiva de Gilmar Mendes, o ministro Edson Fachin deu um novo despacho, indicando o adiamento do julgamento. Gilmar é presidente da Segunda Turma; Fachin, o relator do caso.

O procurador-geral de Justiça, Mario Sarrubbo, recomendou ao governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB), que ‘tome as devidas providências para suspensão da realização de cultos, missas e demais atividades religiosas de caráter coletivo e de eventos esportivos de qualquer espécie, inclusive partidas de futebol, durante a fase vermelha do Plano São Paulo’.

E mais: o toque de recolher em municípios mineiros e o sistema hospitalar do Ceará sem vagas e perto do colapso na pandemia.

Ouça essas e outras notícias desta terça-feira, dia 09, no “Eldorado Expresso”.

 

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!
Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!
Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.