Expresso: Governo de São Paulo recomenda redução de 30% na capacidade de público em grandes eventos

Laís Gottardo

12 de janeiro de 2022 | 13h31

O governo de São Paulo recomendou nesta quarta-feira, 12, que as cidades do Estado reduzam em 30% a capacidade de público para grandes eventos, como shows, festas e atividades esportivas. A sugestão ocorre após a alta de 58% no número de pessoas internadas em UTI por síndromes respiratórias nas duas últimas semanas.

O presidente Jair Bolsonaro editou decreto que permite que ministros e outros servidores voem em classe executiva para o exterior. A medida representa um recuo em relação a decisão do ex-presidente Michel Temer que, em fevereiro de 2018, havia editado decreto instituindo que voos para fora do País seriam feitos exclusivamente em classe econômica e que qualquer upgrade seria pago pelo próprio servidor. A norma publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira prevê que, em viagens ao exterior cuja duração do voo seja superior a sete horas, a passagem poderá ser emitida na classe executiva.

E mais: apesar da chuva e melhora dos reservatórios, conta de luz seguirá cara em 2022 e a atuação de uma chef paulistana que capacita mulheres negras para o mercado de trabalho. Ouça estas e outras notícias desta quarta-feira, 12, no “Eldorado Expresso”.

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!
Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!
Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.