Expresso: Para PRFs, ação contra Genivaldo foi legítima e uma ‘fatalidade’

Laís Gottardo

27 de maio de 2022 | 13h26

Agentes da PRF envolvidos na morte de Genivaldo de Jesus Santos, nesta quarta, 25, após uma viatura da corporação ser transformada em ‘câmara de gás’ em Umabaúba, no interior do Sergipe, classificaram o falecimento do homem de 38 anos como uma ‘fatalidade desvinculada da ação policial legítima’. Em comunicação de ocorrência policial, cinco agentes narraram que foi empregado ‘legitimamente o uso diferenciado da força’ no caso, registrando que foram usados gás de pimenta e gás lacrimogêneo para ‘conter’ Genivaldo.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira, 27, que assinou o perdão ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) para “dar exemplo” ao Supremo Tribunal Federal (STF). Bolsonaro concedeu a graça ao parlamentar em 21 de abril, menos de 24 horas após ele ser condenado pela Corte a 8 anos e 9 meses de prisão por atentar contra a democracia. Como mostrou o Estadão, documentos do Palácio do Planalto obtidos via Lei de Acesso à Informação revelam que o perdão concedido a Silveira foi feito às pressas pelo presidente, atropelando procedimentos da própria Presidência da República – parecer que deveria ser prévio para dar respaldo ao ato só foi produzido depois.

E ainda: a ampliação da vantagem de Lula em pesquisa do Datafolha e o aumento dos planos de saúde individuais e familiares. Ouça estas e outras notícias desta sexta-feira, 27, no “Eldorado Expresso”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.