‘Notícia No Seu Tempo’: Governo aumenta IOF para bancar novo Bolsa Família

Da Redação

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.

No podcast ‘Notícia No Seu Tempo’, confira em áudio as principais notícias da edição impressa do jornal ‘O Estado de S. Paulo’ desta sexta-feira (17/09/21):

O governo anunciou o aumento da alíquota do imposto sobre operações financeiras, o IOF. A medida vai valer de 20 de setembro a 31 de dezembro. A arrecadação adicional, calculada em R$ 2,14 bilhões, vai ajudar a bancar a ampliação do Bolsa Família, rebatizada de Auxílio Brasil. A elevação do IOF vai encarecer o valor final dos empréstimos. Para as empresas, a alíquota diária subirá de 0,0041% (o equivalente a uma taxa anual de 1,5%) para 0,00559% (2,04% ao ano). No caso de pessoas físicas, vai passar de 0,0082% (alíquota anual de 3,0%) para 0,01118% (4,8%). A decisão do governo se deve a uma exigência da Lei de Responsabilidade Fiscal.

E mais:

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Metrópole: Bolsonaro pede e Saúde orienta a não se vacinar adolescentes

Política: Médicos relatam uso de ‘kit covid’ sem paciente saber

Economia: Reservatórios estão abaixo do nível do apagão de 2001

Internacional: Grupos ligados a Cristina pressionam Fernández e crise argentina se agrava

No podcast ‘Notícia No Seu Tempo’, confira em áudio as principais notícias da edição impressa do jornal ‘O Estado de S. Paulo’ desta sexta-feira (17/09/21):

O governo anunciou o aumento da alíquota do imposto sobre operações financeiras, o IOF. A medida vai valer de 20 de setembro a 31 de dezembro. A arrecadação adicional, calculada em R$ 2,14 bilhões, vai ajudar a bancar a ampliação do Bolsa Família, rebatizada de Auxílio Brasil. A elevação do IOF vai encarecer o valor final dos empréstimos. Para as empresas, a alíquota diária subirá de 0,0041% (o equivalente a uma taxa anual de 1,5%) para 0,00559% (2,04% ao ano). No caso de pessoas físicas, vai passar de 0,0082% (alíquota anual de 3,0%) para 0,01118% (4,8%). A decisão do governo se deve a uma exigência da Lei de Responsabilidade Fiscal.

E mais:

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Metrópole: Bolsonaro pede e Saúde orienta a não se vacinar adolescentes

Política: Médicos relatam uso de ‘kit covid’ sem paciente saber

Economia: Reservatórios estão abaixo do nível do apagão de 2001

Internacional: Grupos ligados a Cristina pressionam Fernández e crise argentina se agrava

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato