Nuvem de gafanhotos: conheça o fenômeno e seus riscos no ‘Estadão Notícias’

Nuvem de gafanhotos: conheça o fenômeno e seus riscos no ‘Estadão Notícias’

Gustavo Lopes Alves

26 de junho de 2020 | 06h15

Uma nuvem de gafanhotos que sobrevoa a América do Sul tem causado preocupação em agricultores do Brasil, mais precisamente no sul do país. Os insetos já destruíram lavouras no Paraguai e na Argentina. Apesar do ministério da Agricultura ter informado que a chance da nuvem de gafanhotos chegar em território nacional é mínima, a pasta declarou estado de emergência fitossanitária nos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Essa mesma espécie do inseto, já foi responsável por várias infestações nos anos de 1938, 1942 e 1946. Os gafanhotos se alimentam de vegetação, seja ela nativa ou plantada.

Afinal, quais os riscos e os prejuízos que esses gafanhotos podem trazer para agricultura? Qual a importância e os problemas que esses insetos representam para natureza? Na edição de hoje, conversamos sobre o assunto com o agrônomo e pesquisador da Embrapa, Dori Edson Nava, como o biólogo e youtuber, Henrique Abrahão Charles, e com o prefeito de Barra de Quaraí, no Rio Grande do Sul, Iad Choli.

OUÇA O ‘ESTADÃO NOTÍCIAS’ TAMBÉM NO YOUTUBE

Todas as edições deste podcast também são publicadas no canal do Estadão no Youtube. Para ouvir gratuitamente nesta plataforma, é só clicar aqui.

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!

Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!

Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.