O 2º tempo de Pazuello e o que vem por aí na CPI; ouça no ‘Estadão Notícias’

O 2º tempo de Pazuello e o que vem por aí na CPI; ouça no ‘Estadão Notícias’

Gustavo Lopes Alves

21 de maio de 2021 | 00h10

Eduardo Pazuello voltou, nesta quinta-feira, à CPI da Covid para continuar o seu depoimento aos senadores em relação a sua gestão à frente do Ministério da Saúde no combate ao coronavírus. Apesar de permanecer eximindo o presidente Jair Bolsonaro de responsabilidades sobre as decisões tomadas na questão sanitária, o caso da falta de oxigênio em Manaus, no Amazonas, trouxe um fato novo.

O general afirmou que foi Bolsonaro quem decidiu não aprovar um pedido de intervenção na saúde pública do Estado, feito pelo senador Eduardo Braga (MDB). Segundo Pazuello, o presidente foi convencido pelos argumentos do governador Wilson Lima de que não era necessário esse socorro do governo federal.

Sobre a questão da negociação com a Pfizer para a compra de vacinas, Eduardo Pazuello manteve a narrativa de que só ficou sabendo da comunicação da empresa após 26 de agosto, e que os imunizantes não foram adquiridos naquele momento, pois não havia consenso sobre o contrato. O único episódio em que usou o direito de não falar, foi quando perguntado se o aplicativo TrateCOV indicava cloroquina para grávidas e crianças.

Para analisar essa participação, no episódio de hoje, vamos conversar com as repórteres do Estadão, Adriana Ferraz, de Política, e Fabiana Cambricoli, que cobre a área da Saúde.

O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência.

Apresentação: Emanuel Bomfim

Produção/Edição: Gustavo Lopes, Julia Corá e Ana Paula Niederauer

Sonorização/Montagem: Moacir Biasi

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.