O dólar baixou: o que isso muda nas nossas vidas? Ouça no ‘Estadão Notícias’

O dólar baixou: o que isso muda nas nossas vidas? Ouça no ‘Estadão Notícias’

Por Jefferson Perleberg

28 de junho de 2021 | 00h10

Semana passada foi a primeira vez em um ano que o dólar fechou abaixo dos cinco reais. Notícia que foi comemorada por investidores e por quem acompanha o sobe e desce da moeda americana, seja para investir ou para que produtos e serviços fiquem mais baratos. Com este resultado, a queda acumulada no ano já é de mais de 4%.

São duas as principais razões para a queda, um motivo externo e outro interno do país. A moeda americana caiu aqui e no exterior depois que o Federal Reserve, que é o banco central americano, destacou que a alta na inflação do país é transitória, e com isso acalmou investidores. 

Já no Brasil, a baixa foi influenciada pela indicação do Banco Central sobre a inflação, que veio acompanhada da sinalização de mais altas da Selic. O encontro do Comitê ocorreu na semana passada, quando a taxa básica de juros foi elevada de 3,5% para 4,25% ao ano, o maior patamar em um ano e meio. 

Os especialistas estão divididos entre o otimismo e o conservadorismo, mas é quase unânime que o cenário doméstico, ou seja, dentro do País, será mais decisivo que o externo para o preço, especialmente a questão fiscal.

No episódio de hoje, vamos conversar com a economista do Insper, Juliana Inhasz, para entender melhor como a queda do dólar impacta diretamente em nossas vidas, e o que podemos esperar daqui pra frente. E para falar sobre como a moeda americana influencia nas aplicações e investimentos dos brasileiros, vamos falar com o economista do BTG Pactual, Álvaro Frasson, especialista em estratégia de investimentos.

O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência.

Apresentação: Emanuel Bomfim

Produção/Edição: Gustavo Lopes, Julia Corá, Ana Paula Niederauer, Jefferson Perleberg e Larissa Burchard.

Sonorização/Montagem: Moacir Biasi

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.