O vírus da corrupção na pandemia; ouça no ‘Estadão Notícias’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O vírus da corrupção na pandemia; ouça no ‘Estadão Notícias’

Gustavo Lopes Alves

20 de outubro de 2020 | 00h10

Agentes públicos tem se aproveitado do período de excepcionalidade que a pandemia do novo coronavírus trouxe ao país para repetir uma prática muito comum no Brasil: a corrupção. Uma lei, que vale durante esse período, permitiu que estados, municípios e o governo federal comprem equipamentos e insumos para a área da saúde sem a necessidade do processo de licitação. Com isso, várias práticas de superfaturamento de preços foram identificadas pela Polícia Federal e o Ministério Público Federal. Investigadores já encontraram mais de um bilhão de reais em contratos firmados por prefeitos e governadores, sendo que mais de 60% desse dinheiro pode ter ido para o bolso de alguém.

Afinal, por que não conseguimos frear a corrupção no Brasil? Existe um enfraquecimento das instituições de combate à corrupção? Na edição de hoje, conversamos com Roberto Livianu, procurador de Justiça em São Paulo, doutor em Direito pela USP, idealizador e presidente do Instituto Não Aceito Corrupção.

OUÇA O ‘ESTADÃO NOTÍCIAS’ TAMBÉM NO YOUTUBE

Todas as edições deste podcast também são publicadas no canal do Estadão no Youtube. Para ouvir gratuitamente nesta plataforma, é só clicar aqui.

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!

Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!

Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.