“PEC Pazuello”: Congresso vai conseguir barrar militares no governo? Ouça no ‘Estadão Notícias’

Por Jefferson Perleberg

21 de julho de 2021 | 00h10

A presença de militares no governo de Jair Bolsonaro, principalmente os que estão na ativa, tem sido duramente criticada. Após o início dos trabalhos da CPI da Covid, uma relação nada republicana de agentes das Forças Armadas na área da Saúde vem se consolidando. 

A Procuradoria da República do Distrito Federal afirma que a gestão do general da ativa Eduardo Pazuello no combate a pandemia de covid-19 foi, “gravemente ineficiente e dolosamente desleal”. Segundo registra o Ministério Público Federal, a omissão e a negligência do ex-ministro na compra das vacinas da Pfizer retardou o começo da imunização no País. 

Para tentar controlar a nomeação de militares no governo, uma proposta de emenda à constituição, batizada de “PEC Pazuello”, da deputada Perpétua Almeida (PCdoB), reuniu mais de 180 assinaturas e já pode ser votada na Câmara. A alteração permitiria que os militares continuem ocupando cargos comissionados em certas áreas técnicas relacionadas à defesa nacional, mas não em cargos políticos.

O apelido “PEC Pazuello” faz referência ao episódio no qual o ex-ministro participou de um ato político ao lado do presidente Jair Bolsonaro, em maio.

No episódio do Estadão Notícias de hoje, vamos falar sobre essa relação entre militares e o governo federal, com o professor da UNESP e doutor em Ciência Política pela UNICAMP, Alexandre Fuccille.

O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência.

Apresentação: Gustavo Lopes

Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg, Gabriela Forte e Rafaela Barbosa

Montagem: Moacir Biasi

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.