Podcast: Eleição francesa é um “esquenta” para o pleito no Brasil?

Podcast: Eleição francesa é um “esquenta” para o pleito no Brasil?

Por Jefferson Perleberg

26 de abril de 2022 | 00h10

Neste domingo, 24, a França reelegeu Emmanuel Macron com 58% dos votos válidos. A candidata da extrema-direita, Marine Le Pen, obteve 41% dos votos, a maior votação desse grupo na história moderna da França.

Em seu discurso de vitória, Macron afirmou que quer governar para todos, inclusive para aqueles que preferiam Le Pen. Macron defende uma Europa mais forte na economia e quer um governo mais reformista e liberal, com a proposta de adiar a idade de aposentadoria de 62 para 65 anos.

Já Le Pen propunha inscrever na Constituição a “prioridade nacional”, a fim de excluir os estrangeiros dos auxílios sociais, e defendia o abandono da Otan e a redução dos poderes da União Europeia.

Apesar da vitória, o desempenho de Macron foi pior se comparado com o de 2017, quando teve 66% dos votos. Com isso, a extrema-direita foca suas forças, agora, nas eleições legislativas, que ocorrem daqui a 2 meses.

No episódio de hoje, 26, vamos entender os significados da vitória de Macron e o avanço da extrema-direita na Europa e a relação disso com o Brasil. Para isso, conversamos com a professora de Relações Internacionais da ESPM, Carolina Pavese.

O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência.

Apresentação: Emanuel Bomfim 

Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg e  Ana Paula Niederauer 

Montagem: Moacir Biasi

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.