Podcast: Governismo em alta: a vitória de Bolsonaro após janela partidária

Podcast: Governismo em alta: a vitória de Bolsonaro após janela partidária

Por Jefferson Perleberg

04 de abril de 2022 | 00h10

Na última sexta-feira terminou a chamada janela partidária, que é o intervalo de 30 dias que a justiça eleitoral dá, seis meses antes da eleição, para que deputados federais, estaduais e vereadores troquem de partido, sem o risco de perder o mandato. Importantes mudanças ocorreram até os últimos minutos do prazo da janela.

O partido que ganhou mais filiações foi o PL do presidente Jair Bolsonaro. A bancada do partido cresceu 71%, de 42 para mais de 70 deputados. A maior parte dos novos filiados do PL vieram do antigo partido de Bolsonaro, o PSL, que se fundiu ao DEM e formou o União Brasil. Após a fusão, a legenda passou a ser a maior em número de deputados na Câmara com 81 parlamentares. Mas, com a janela partidária, o União Brasil perdeu deputados e diminuiu quase pela metade, cerca de 40 baixas.

Depois do PL, Republicanos e PP foram os partidos que mais conquistaram deputados. Algumas “contratações” prometem reforçar partidos e mexer no xadrez eleitoral deste ano. É o caso do ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que deixou o União Brasil e se filiou ao PSDB. E o ex-juiz Sergio Moro trocou o Podemos pelo União Brasil e ainda define se terá candidatura presidencial.

Todas essas migrações partidárias dão um novo tom à Câmara dos Deputados apenas 6 meses antes das eleições, e podem fortalecer os palanques eleitorais dos principais candidatos à presidência.

No episódio do podcast de hoje, 04, vamos falar sobre essa nova composição do Legislativo, e como isso impacta nas eleições de outubro, com o cientista político Bruno Silva, pesquisador do Laboratório de Política e Governo da Unesp Araraquara.

O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência.

Apresentação: Emanuel Bomfim

Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg e Ana Paula Niederauer

Montagem: Carlos Valério

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.