Podcast: O retorno às aulas presenciais em meio a Ômicron

Podcast: O retorno às aulas presenciais em meio a Ômicron

Por Jefferson Perleberg

18 de janeiro de 2022 | 00h10

Os estudantes de escolas públicas e privadas saíram de férias com a certeza de que voltariam às aulas presenciais em 2022. Porém este retorno ainda não é certo, por conta da variante Ômicron, que resultou em um aumento de infectados no mundo e causou o aumento de internações na maioria das cidades do País.

O atraso no início da vacinação das crianças também contribui para este cenário incerto. Apenas na semana passada, municípios receberam a dose pediátrica do imunizante da Pfizer. Por causa disso, existe alerta, por parte dos especialistas, para o aumento de transmissão das crianças em sala de aula pela capacidade de reprodução da variante Ômicron.

Algumas dessas crianças podem acabar voltando às aulas sem nenhuma dose da vacina, pois pelo calendário, não há garantias que todas terão se imunizado até o início do ano letivo. “ Quem deveria definir sobre o assunto são as autoridades sanitárias, infelizmente não há diretrizes do Ministério da Educação, em conjunto com a Saúde, sobre a questão”, afirma a diretora do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da Fundação Getulio Vargas (FGV), Cláudia Costin.

Por parte do governo federal, ainda não houve nenhuma manifestação do ministro da Educação, Milton Ribeiro sobre essa situação. No país, apesar de governadores e prefeitos ainda não falarem em cancelar o retorno presencial dos alunos, a medida já começa a ser pensada.

No episódio do podcast desta terça-feira, 18, vamos conversar sobre esse assunto com Claudia Costin, diretora do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da Fundação Getulio Vargas (FGV).

O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência.

Apresentação: Gustavo Lopes

Produção/Edição: Jefferson Perleberg e Gabriela Forte

Montagem: Moacir Biasi

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.