Podcast: Os impactos das sanções contra a Rússia

Podcast: Os impactos das sanções contra a Rússia

Por Jefferson Perleberg

03 de março de 2022 | 00h10

O governo russo vem sofrendo duras sanções desde o dia em que decidiu começar uma guerra contra a Ucrânia. Estados Unidos, países da União Europeia, como a Alemanha, o Reino Unido e o Japão são algumas das nações que impuseram restrições ao país, como embargos econômicos, barreiras no mercado financeiro e até o fechamento do espaço aéreo para voos da Rússia.

Uma das medidas diz respeito à remoção de vários bancos russos do Swift, que é uma plataforma essencial da finança e do comércio internacional. O corte dessas instituições financeiras irá impedi-las de realizar a maioria de suas transações pelo mundo.

Putin também sofrerá com os efeitos das sanções. Os Estados Unidos, a União Europeia e o Reino Unido anunciaram que adotarão restrições contra o presidente da Rússia. Ativos dele, sob jurisdição dos países, serão congelados, assim como o de Oligarcas e Bilionários russos.

O problema é que essas sanções começam a ter impacto também no Ocidente e no Brasil. Os preços de petróleo, trigo, milho, soja e das carnes estão subindo. Rússia e Ucrânia vendem 30% do trigo no mercado mundial, e 20% do milho. Esses produtos já estão sendo negociados com alta de 5%, além do risco de desabastecimento:

No episódio do podcast desta quinta-feira, 03, ouvimos o colunista da Rádio Eldorado, José Luiz Tejon, sobre esse impacto no agronegócio brasileiro. E para falar sobre essas sanções e sua efetividade, conversamos com o professor visitante da Universidade de Relações Exteriores da China e Sênior do Centro de Políticas Públicas para o Novo Sul, do Marrocos, Marcus Vinícius De Freitas.

O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência.

Apresentação: Emanuel Bomfim

Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg e Ana Paula Niederauer

Montagem: Moacir Biasi

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.