Podcast: ‘PEC Kamikaze’ pode afundar recuperação econômica?

Podcast: ‘PEC Kamikaze’ pode afundar recuperação econômica?

Fabio Tarnapolsky, especial para o Estadão

04 de julho de 2022 | 00h10

Após passar por momentos turbulentos, a economia brasileira dá seus primeiros sinais de melhora e o indicador mais claro disso é o recuo do desemprego. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, do IBGE, o índice de pessoas não ocupadas passou de 10,5% para 9,8% no final de maio. Atualmente, o país tem 10,6 milhões de desempregados.

No entanto, mesmo com a melhora, a economia brasileira ainda tem perspectiva de baixo crescimento por conta da inflação e taxas de juros em alta. O Banco Central admitiu na última semana que descumprirá a meta de inflação pelo segundo ano consecutivo em 2022. De acordo com relatório da instituição, o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) deve ficar em 8,8%, baixar para 4% em 2023 e fechar em 2,7% em 2024. Já a taxa básica de juros (Selic) foi elevada para 13,25% ao ano.

Outro fator que preocupa especialistas é a aprovação da “PEC Kamikaze”, aprovada às vésperas das eleições presidenciais e com aval também da oposição, que prevê injeção de R$ 41 bilhões em benefícios sociais. De acordo com o Ministro da Economia, Paulo Guedes, a emenda é um risco para as contas públicas e o mercado já reagiu à mesma, com a cotação do dólar batendo R$ 5,33 nesta sexta-feira (1), o maior valor desde 4 de fevereiro. 

Como podemos analisar a retomada da economia brasileira? O crescimento será atrapalhado pela inflação, juros e a nova PEC? E como está o cenário macroeconômico de forma geral? O ‘Estadão Notícias’ desta segunda-feira, 04, conversa com o economista e ex-presidente do Banco Central, Gustavo Loyola. 

O ‘Estadão Notícias’ está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência.

Apresentação: Emanuel Bomfim

Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg, Gabriela Forte e Fabio Tarnapolsky

Montagem: Moacir Biasi

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.