Queda de Mandetta vai agravar situação do Brasil na crise? Ouça no ‘Estadão Notícias’

Queda de Mandetta vai agravar situação do Brasil na crise? Ouça no ‘Estadão Notícias’

Gustavo Lopes Alves

17 de abril de 2020 | 06h00

Uma das novelas mais longas nascidas da crise do novo coronavírus foi encerrada nesta quinta-feira. Em decisão do presidente da República, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, foi demitido após um período de desentendimentos com Jair Bolsonaro. Os dois discordavam da maneira como o combate à Covid-19 deveria ser feito, seja com isolamento até o uso de algumas substâncias medicinais. No lugar de Mandetta, entra um outro médico, Nelson Teich, que terá a missão de ser técnico e, ao mesmo tempo, agradar o presidente.

Na edição de hoje, analisamos os impactos para a área da saúde e do combate à covid-19 com o presidente da Associação Paulista de Medicina, José Luiz Gomes do Amaral. Conversamos também com o editor de Política do Estadão, Eduardo Kattah, sobre os ruídos causados pela demissão de Mandetta. Confira ainda no podcast o quadro “Fique em Casa”. Hoje, Renata Cafardo entrevista a cantora Fafá de Belém sobre como está encarando o período de quarentena e autoisolamento.

OUÇA O ‘ESTADÃO NOTÍCIAS’ TAMBÉM NO YOUTUBE

Todas as edições deste podcast também são publicadas no canal do Estadão no Youtube. Para ouvir gratuitamente nesta plataforma, é só clicar aqui.

ESTAMOS DISPONÍVEIS NA DEEZER!

Os podcasts do Estadão são oferecidos para consumo gratuito no serviço de streaming Deezer. Para ouvir, basta fazer o login na plataforma. Uma vez logado, é só colocar no campo de busca o nome do programa (“Estadão Notícias”) que você terá acesso imediato a todo nosso histórico de publicações. Você também pode acessar diretamente clicando neste link.

OUÇA TAMBÉM NO SPOTIFY!

Os podcasts do Estadão também são oferecidos para consumo gratuito na plataforma de streaming Spotify. Para acessá-lo e passar a segui-lo, basta digitar o nome do programa (“Estadão Notícias”) no campo de busca. Ou pode clicar diretamente neste link.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.