As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Anistia Internacional se une a ONGs da Maré e denuncia extermínio

Campanha 'Jovem Negro Vivo' mostra que maioria dos assassinados no Brasil tem de 15 a 29 anos; 77% são afrodescendentes

Redação

06 Maio 2015 | 14h31

A Anistia Internacional leva no sábado (9) ao Complexo da Maré a campanha Jovem Negro Vivo, em parceria com a Rede de Desenvolvimento da Maré e o Observatório de Favelas. O objetivo é chamar a atenção para o alto número de assassinatos de jovens no Brasil, especialmente entre os afrodescendentes. Os homicídios ocorrem sobretudo em áreas pobres, como a Maré Para conter a ação de quadrilhas armadas que dominam o local, o complexo está sob ocupação do Exército. No início de maio, as tropas começaram a ser substituídas pela Polícia Militar, para a instalação da 30ª Unidade de Polícia Pacificadora.

“O Brasil é o país com um dos maiores índices de homicídios no mundo, são 56 mil por ano”, afirma Atila Roque, diretor executivo da Anistia Internacional Brasil. Mais da metade dos assassinatos são entre jovens, de 15 e 29 anos, e 77% das vítimas são negros. Trazer a campanha para o Complexo da Maré é ampliar a mobilização em torno de um tema que faz parte da realidade diária de quem vive nos territóros de favela: o assassinato de seus jovens.”

Com a campanha, a Anistia  convida à assinatura do manifesto “Queremos ver os jovens vivos”, que defende o direito a uma vida livre de violência e preconceito. Pede políticas públicas de segurança, educação, saúde, trabalho, cultura e mobilidade urbana, entre outras.

As peças publicitárias da campanha apresentam números da violência no Brasil, comparados a outros países, inclusive alguns que vivem conflitos armados, guerras e revoluções. Mostram ainda como os homicídios vitimam mais os jovens do que a população brasileira em geral. A campanha é uma parceria com a agência de publicidade DM9 Rio.

Os dados são contundentes em mostrar como os homicídios no Brasil têm atingido mais os jovens e, entre eles, os negros. Enquanto a taxa da morte de jovens brancos tem diminuído, a que se refere à morte de jovens negros tem aumentado anualmente.


Programação 

13h às 15h30 – Feira da Teixeira

Performances de Escola Livre de Dança daMaré e Rua C – Cia. De Dança

16h – Centro de Artes da Maré (Rua Bittencourt Sampaio, 181 – Nova Holanda – próximo à Avenida Brasil)

Roda de Conversa com iniciativas de mobilização pela valorização da vida

Binho Cultura – Flizo

Bruno Duarte –Anistia Internacional

David Amen – Raízes em Movimento

Dudu do Morro Agudo– Enraizados

Giordana Moreira –Roque Pense

Gilmara Cunha –Conexão G

Mayara Donaria eValnei Succo – ESPOCC

Performance

Cia. Marginal e LosChivitos