Após vazamento, áreas da Biblioteca Nacional reabrem nesta terça
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Após vazamento, áreas da Biblioteca Nacional reabrem nesta terça

Registro se rompeu no terceiro andar. Água molhou livros ainda não catalogados e o tapete da sala onde está a exposição Rio450

Clarissa Thomé

07 Novembro 2015 | 16h32

A Biblioteca Nacional, no centro do Rio, reabre nesta terça-feira, 10, a área de exposições e o salão de Obras Gerais, fechados por causa de um vazamento de água que atingiu a instituição no feriado de Finados. O acidente ocorreu no terceiro andar da biblioteca, quando um registro se rompeu. A água escorreu pelas paredes até os pisos inferiores. No segundo, atingiu o salão de Obras Gerais, molhando caixas de livros que ainda não haviam sido catalogados. No primeiro, encharcou o tapete da sala onde está a exposição Rio450, com imagens de Augusto Malta e Alair Gomes e um livro de Padre Anchieta, um dos fundadores de São Paulo. Essas obras não foram afetadas.

 

biblioteca2

Obras que ficaram molhadas, durante processo de secagem (Foto: Divulgação)

 

 De acordo com a assessoria de imprensa da instituição, o vazamento começou na segunda-feira, dia 2. A equipe de brigadistas percebeu o vazamento, fechou o registro de água e comunicou a direção da BN. Eles também retiraram os quadros das paredes, evitando danos maiores. Na terça-feira, 3, técnicos da biblioteca iniciaram o trabalho para secar os livros atingidos – usaram mata-borrões, circuladores de ar e desumidificadores. O acidente foi noticiado pelo jornal O Globo neste sábado, 7. A assessoria de imprensa informou que a direção avaliou não ser necessário tornar público o ocorrido porque não houve dano ao acervo permanente. Segundo a Associação de Servidores da Biblioteca, o vazamento começou no domingo (1) e não na segunda.

 

Os livros afetados são recém-lançados e enviados para a biblioteca, que faz o depósito legal de todas as obras publicadas no País. Também foram atingidas caixas com doações, que ainda não haviam sido analisadas. O trabalho de recuperação das obras já terminou, segundo a assessoria. Os setores de Obras Raras e Iconografia e o chamado Acervo Especial ficam longe do local em que ocorreu o vazamento.

 

Ainda não se sabe a causa do estouro do registro. Luciana Muniz, presidente da Associação de Servidores da Biblioteca, diz que o encanamento está ligado ao sistema de ar condicionado, que é da década de 1980. “É uma instalação inapropriada para uma biblioteca, porque utiliza água para refrigeração. Se o prédio tem vistoria regular, engenheiro responsável, nós da associação desconhecemos isso”, afirmou.Segundo ela, o vazamento começou no domingo (1) e as obras ficaram molhadas até terça, quando teve início o procedimento de secagem. “Os vigias não são os primeiros na cadeia de gerenciamento de risco e eles não tinham a lista de integrantes da equipe de gerenciamento de risco. Ninguém da direção ou das chefias foi convocado”, reclama Luciana.

 

biblioteca 1

Uma das obras afetadas pelo vazamento, ocorrido durante o feriado de Finados (Foto: Divulgação)

 

Em 2012, vazamento no duto de ar condicionado afetou o armazém de periódicos, que ficou alagado. Jornais e revistas, alguns do início do século XX, foram atingidos. A Biblioteca Nacional passa por reforma geral desde o ano passado. A previsão é de que as obras terminem em 2017, mas, de acordo com Luciana, os trabalhos estão interrompidos. “Fizeram a claraboia, o telhado e depois pararam as obras. É preciso um plano para salvar a Biblioteca Nacional, que tem acervo de valor incalculável, e esse plano inclui obras estruturais para um prédio que começou a ser construído em 1907 e foi inaugurado em 1910”.

Mais conteúdo sobre:

Biblioteca Nacional; vazamento