Cachês do principal show dos 450 anos do Rio somam R$ 1 milhão
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cachês do principal show dos 450 anos do Rio somam R$ 1 milhão

São 21 atrações, entre elas, Caetano, Gil, Paulinho da Viola, Zeca Pagodinho, Jorge Benjor e Paralamas do Sucesso

Roberta Pennafort

27 de fevereiro de 2015 | 19h03

Caetano e Gil estão entre as principais atrações (Foto: André Dusek)

Caetano e Gil cantarão músicas próprias (Foto: André Dusek)

 

Cada uma das 21 atrações do show dos 450 anos do Rio está recebendo cachê líquido de R$ 50 mil, segundo a Riotur. Gratuita, a apresentação, que tem entre seus maiores nomes Gilberto Gil, Caetano Veloso, Paulinho da Viola e Zeca Pagodinho, será amanhã, a partir das 21 horas, na Quinta da Boa Vista, parque da zona norte da cidade. Culminará com uma queima de fogos, na virada para o 1º de março, data do aniversário. O público esperado é de 60 mil pessoas.

Se dessa vez os cachês são iguais, há 19 anos, na passagem de 1995 para 1996, outro show da Riotur acabou em controvérsia por conta da diferenciação nos valores pagos aos cantores envolvidos. Da apresentação,  na praia de Copacabana, um tributo a Tom Jobim, que havia morrido em 1994, participaram Gil, Caetano, Paulinho e mais Chico Buarque, Milton Nascimento e Gal Costa. Todos ganharam R$ 100 mil,  mas Paulinho recebeu R$ 35 mil, o que gerou grande desconforto no grupo.

No último réveillon de Copacabana, os cachês foram bem acima disso: Seu Jorge ficou com R$ 700 mil; Maria Rita, com R$ 210 mil; e os Titãs, com R$ 430 mil (para os cinco integrantes). O dinheiro não vai só para os artistas, parte é usada por eles para o pagamento dos músicos que os acompanham.

Para o show dos 450 anos, o elenco foi escolhido entre cariocas e “forasteiros” que fizeram carreira no Rio. Alguns vão apresentar músicas de seu próprio repertório: Paulinho vai cantar “Foi um rio que passou na minha vida”; Gil, “Aquele Abraço”; Caetano vai dividir “Menino do Rio” com Baby do Brasil; Erasmo Carlos vai lembrar “Close” (sua com Roberto Carlos).

Os clássicos ficarão com Vanessa da Mata (“Samba do avião” e “Corcovado”, de Tom Jobim), Diogo Nogueira (“Copacabana”, de Alberto Ribeiro e Braguinha, e “Ela é carioca”, de Tom e Vinicius de Moraes) e Martinho da Vila (“Palpite Infeliz”, de Noel Rosa, e “Feitiço da Vila”, de Noel com Vadico). A parte mais contemporânea ficará com Fernanda Abreu e com Marcelo D2.

O time completo é composto ainda por Ana Carolina, Arlindo Cruz, Jorge Benjor, Max de Castro, Neguinho da Beija-Flor, Paralamas, Paula Toller, Roberto Frejat, Simoninha e Toni Garrido. A noite terminará com todos no palco cantando “Cidade maravilhosa” (André Filho).

Tudo o que sabemos sobre:

cachêsQuinta da Boa VistaRio 450 anosshow

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.