As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em vídeo, ‘Parque Olímpico’ de Santa Teresa é lançado

Depois do "Parque Aquático" inexistente, moradores usam evento esportivo para novamente debochar de atraso em obras do bonde

Wilson Tosta

22 Maio 2015 | 16h06

“Salto em areia”, “arremesso de pedras” e “marcha sobre trilhos” são alguns dos “esportes” “praticados” no vídeo  lançado no Facebook por moradores de Santa Teresa, na zona central do Rio, para protestar contra nas obras para volta de bondes a suas ruas. As “competições” são praticadas no próprio bairro, conhecido por suas ladeiras e casas antigas, em meio às vias escavadas por operários  e entre montes de terra e entulho. Trata-se do lançamento do “Parque Olímpico de Santa Teresa” – na verdade, convocação para uma manifestação marcada para este sábado (23), `as 15h, pela associação de moradores, para discutir a situação.

O vídeo é aberto por imagens conhecidas. Estão lá o então presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge, anunciando (em 2009) que o Rio de Janeiro seria a sede dos Jogos der 2016. Estão lá também as autoridades brasileiras vibrando com a conquista, como quem marca um gol, e a multidão em Copacabana, com a faixa gigante com o Cristo Redentor e os dizeres “Rio Loves You” (O Rio te ama). Em seguida,  porém, aparece um “repórter”, falando português com um afetado sotaque estrangeiro, para apresentar “um projeto incrível, um projeto maravilhoso, depois de anos e anos de obras”.

“Aqui, onde antes passava um simples bondes de levar pessoas, agora se criou um grande complexo esportivo”, diz o  “jornalista”. Temos o prazer de apresentar para vocês, em primeiríssima mão, o Parque Olímpico de Santa Teresa.”

O atraso nas obras dificulta a circulação em Santa Teresa (Divulgação)

O atraso nas obras dificulta a circulação em Santa Teresa (Divulgação)

Os “esportes” , no vídeo, são praticados diante de agentes de trânsito e dos operários das obras. Em uma das cenas, após uma “vitória”, o suposto atleta vibra abraçado a um dos trabalhadores.  Ao fundo, há música e o som de uma multidão inexistente vibrando. As “modalidades esportivas” também são apresentadas com nomes em inglês. “Salto em areia”, por exemplo, é “jump on sand”.

Este é o segundo protesto debochado dos moradores de Santa Teresa contra o atraso nas obras. No início do mês, foi anunciada a “inauguração do Parque Aquático” do bairro, uma alusão debochada às enchentes e atoleiros causados pela mistura de obras que não acabam com chuvas. Entre as atrações, estavam as “corredeiras da Ladeira do Castro”, a “térmica de lama na Praça Odylo” e o “grande piscinão do Mineiro até o Curvelo”.

Responsável pelas obras, o governo do Estado reconhece o atraso. As obras começaram em novembro de 2013 e deveriam ter acabado em junho de 2014. Divergências com o consórcio Elmo-Azvi e problemas técnicos, como dificuldades para instalação dos trilhos, dificultaram os trabalhos. Enquanto o trabalho não acaba, parte de Santa Teresa continua com suas vias esburacadas.