Ex-vereadora tucana anuncia filiação à Rede no Rio de Janeiro
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ex-vereadora tucana anuncia filiação à Rede no Rio de Janeiro

A política deixou o PSDB em 2012, após divergências internas na escolha do candidato que disputaria a Prefeitura do Rio

Juliana Dal Piva

28 Setembro 2015 | 18h39

A ex-vereadora do PSDB no Rio Andrea Gouvêa Vieira oficializou na semana passada sua filiação à Rede Sustentabilidade, legenda criada pela ex-senadora petista Marina Silva. Em entrevista ao Estado, ela contou que o grupo já fala sobre as eleições de 2016. “Mandei meu pedido de filiação assinado para eles no dia em que o partido foi registrado. Estamos agora conversando sobre o futuro”, disse Andrea. Esse futuro, segundo ela, pode ser uma nova candidatura à Câmara do Rio ou a eleição majoritária.

“Eu me coloquei à disposição para trabalhar para eles no Rio já agora na campanha para a prefeitura naquilo que acharem importante. Tanto como vereadora, para fazemos uma bancada razoável, já temos o Jefferson Moura (vereador da Rede). Certamente precisamos fazer um grupo de 70 candidatos pela Rede. E pode ser dentro das conversações da candidatura majoritária. Naquela época ainda não tinha perspectiva do (deputado federal Alessandro) Molon (ex-PT). Acho ele um excelente nome para vir candidato a prefeito, como também o (deputado federal) Miro Teixeira ex-Pros). Isso é o que vamos começar a discutir”, disse Andrea, referindo-se aos dois deputados federais eleitos pelo Estado do Rio e que recém transferiram-se para a Rede.

A política deixou o PSDB em 2012, após divergências internas na escolha do candidato que disputaria a Prefeitura do Rio. Há anos sem lançar candidato, o PSDB fluminense optou então pelo deputado federal Otavio Leite. Após dois mandatos, Andrea não quis concorrer à reeleição e tempos depois aproximou-se de Marina.

Andrea diz que é um desafio integrar um partido que está reunindo lideranças tão heterogêneas. “Acho que essa é a novidade da Rede, o que aconteceu de novo na política. É preciso fazer diferente do que se fez antes. Quem vier tem que vir com a cabeça aberta. Qual a cor da Rede? Como vai dar conta de gente vindo do PSDB, Psol e do PT? Hoje tem muito mais cara de esquerda do que social democracia. Mas acho que a Marina tem um discurso que está direcionado na mudança dessa coisa mais radical. É um desafio mesmo”, avalia ela, que conta que já enfrenta resistência de parte do seu eleitorado pela adesão ao partido da ambientalista. “Tem gente que diz que vai continuar votando em mim, mas que a Rede é petista demais, tem gente demais do PT.

No quadro nacional, Andrea avalia que o antigo partido se fortaleceu com a crise do PT, mas ainda está preso à prática antiga, segundo ela, de composição com as diversas legendas para ter sustentação e governabilidade. “Continuo muito tucana nas ideias e ainda tenho admiração pelos quadros técnicos do PSDB, mas mesmo o Aécio ainda é um ‘novo-velho’. Diante da tragédia do PT, o PSDB se recuperou, mas ainda está preso a essa prática ruim”, completou.