As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Fiscal morre após atropelamento ‘proposital’ por ônibus no Centro

Testemunhas acusam motorista de, ao tentar fugir com veículo, atingir funcionário; vitima morreu de madrugada, no Hospital Souza Aguiar

Redação

11 de fevereiro de 2015 | 15h17

Morreu nesta quarta-feira, 11, o supervisor da Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio de Janeiro (Cet-Rio) David Bezerra de Vasconcelos, de 33 anos, atropelado na véspera por um ônibus na Avenida Presidente Vargas, no centro do Rio, após um acidente. O fiscal recolhia informações sobre a ocorrência, que envolveu o ônibus e um carro, quando o motorista do coletivo, ao tentar fugir, segundo relatos de testemunhas, o atropelou com o veículo.

De acordo com o delegado Cláudio Vieira, titular da 4.ª DP, na Praça da República, foi instaurado inquérito para apurar o crime de homicídio. O presidente da CET-Rio, Joaquim Dinis, disse acreditar que o atropelamento foi proposital, baseado nos relatos de uma pessoa que estava dentro do ônibus e de um controlador da companhia municipal de trânsito.

A Cet-Rio determinou ao consórcio Internorte e à empresa Paranapuan o afastamento do motorista. O consórcio também foi notificado a apresentar as imagens gravadas pelo sistema interno do veículo. O acidente ocorreu no cruzamento da Praça da República com a Presidente Vargas, por volta das 9h de terça-feira, 10.

Procurada pela reportagem, a empresa Paranapuan divulgou uma nota em que afirma: “O motorista Leandro Rodrigues da Silva já foi afastado de suas funções. O profissional está há seis meses na empresa e não há informações sobre o seu envolvimento em outros acidentes.” A Paranapuan acrescenta na nota que “vai colaborar com a investigação conduzida pela polícia, fornecendo as imagens do circuito interno do ônibus e outros dados técnicos que possam ajudar na apuração do caso”.

O ônibus passou por cima de Vasconcelos e de sua moto, segundo testemunhas. O agente de trânsito foi levado em estado grave para o Hospital Souza Aguiar, no centro, e morreu de madrugada. O motorista prestou depoimento na noite de terça-feira na 4.ª DP e foi liberado. “Ele será chamado novamente para depor”, informou a Polícia Civil. O delegado informou que aguarda a chegada das imagens do sistema de segurança e o resultado da perícia realizada no local e no veículo. O motorista e seu advogado não foram localizados pela reportagem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.