Inspirada em clubes, Portela lança planos para sócios-torcedores
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Inspirada em clubes, Portela lança planos para sócios-torcedores

Por R$ 21,90 ou R$ 59,90 mensais, torcedor tem acesso a eventos, ganha brindes e tem descontos em 1.300 empresas parceiras

Fabio Grellet

01 Setembro 2015 | 08h30

Sucesso em clubes de futebol como Palmeiras e Internacional-RS, o modelo de sócio-torcedor, em que a pessoa se associa à agremiação e paga mensalidade em troca de privilégios em eventos promovidos pela entidade, chegou às escolas de samba. A Portela, uma das escolas mais tradicionais e com maior torcida no Carnaval do Rio de Janeiro, lançou no último dia 14 o programa “Águia no Coração”. São dois tipos de planos de sócio-torcedor, que custam R$ 21,90 ou R$ 59,90 mensais (planos Águia Altaneira e Majestade do Samba, respectivamente), além de R$ 13 como taxa de adesão, e oferecem uma série de vantagens. O contrato inicial pode ser firmado por seis meses ou um ano e prorrogado quantas vezes a pessoa quiser.

 

Além de entrada grátis nos ensaios realizados às quartas e sextas-feira na quadra e em outros eventos promovidos pela Portela, o sócio-torcedor tem descontos em cerca de 1.300 empresas parceiras do programa, como Americanas.com, Casas Bahia e Ricardo Eletro.

22 Geral da quadra.jpg  RJ  06-02-2010 EXCLUSIVO COLUNA DIRETO DA FONTE/SONIA RACY  OE CARNAVAL - Ensaio Escola de Samba no Rio de Janeiro  - Feijoada da Portela  - -  FOTO LÉO RAMOS/AE

Feijoada mensal na quadra da Portela: ingresso não custa nada para sócios-torcedores do plano “Majestade do Samba” (Foto: Léo Ramos/Agência Estado)

 

Conforme paga as mensalidades em dia, o sócio também acumula pontos que podem ser trocados por prêmios que vão de visita guiada ao barracão onde os carros alegóricos são produzidos, na Cidade do Samba (zona portuária do Rio), a aulas de samba no pé com o grupo de passistas da Portela e até a possibilidade de tocar junto com a bateria da famosa escola de Madureira (zona norte do Rio). A adesão e mais detalhes sobre os planos estão no endereço www.aguianocoracao.com.br.

 

“Não fizemos nenhuma estimativa sobre o número de adesões ao programa, mas estamos certos de que será um sucesso”, prevê Marcos Falcon, vice-presidente da Portela e um dos responsáveis por firmar a parceria com a empresa CRM Fans, que rendeu o projeto de sócio-torcedor.

 

A CRM Fans atua nesse segmento em parceria justamente com os clubes de futebol cujos programas de sócio-torcedor foram mais bem sucedidos, como Palmeiras e Inter-RS. Após fazer pesquisas pela internet e constatar a popularidade da Portela, a empresa propôs a parceria à agremiação recordista de vitórias no desfile das escolas de samba do Rio com 21 títulos.

 

Inédito entre as escolas de samba, o projeto é uma demonstração de como a Portela se revitaliza, após administrações sofríveis que levaram a agremiação a flertar com o rebaixamento. A atual gestão assumiu em 2013 e está recolocando a escola entre as favoritas ao título. A contratação do badalado carnavalesco Paulo Barros, que fez fama na Unidos da Tijuca e no desfile de 2015 atuou na Mocidade, aumenta a expectativa para a exibição da Portela no próximo carnaval.

 

Entre as outras 11 escolas da elite do carnaval carioca, só a Beija-Flor tem projeto semelhante – a escola pretende lançar em novembro um plano para sócios-torcedores. A maioria das escolas tem sócios-contribuintes, que pagam mensalidades para entrar nos ensaios de graça e votar na escolha da direção da agremiação. Em geral só é permitido se associar durante um determinado período do ano. A Mangueira, por exemplo, está com quadro de sócios aberto desde 7 de julho até esta terça (1), e quem se interessar precisa pagar R$ 350 como jóia e R$ 20 mensais. A Portela também tem esse tipo de sócio – cerca de 900, que pagam R$ 32 mensais. O vice-presidente acredita que ninguém deixará de ser contribuinte para se tornar sócio-torcedor. “Ser sócio-contribuinte é uma honra, as pessoas vão querer acumular os dois títulos”, aposta Falcon. Outras escolas, como a Imperatriz Leopoldinense, não têm nenhum tipo de sócio.