Metade das cidades do Rio tem risco grave de incêndio florestal
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Metade das cidades do Rio tem risco grave de incêndio florestal

Estudo apresentado pela Defesa Civil indica que situação é mais crítica nas regiões metropolitana, serrana e litorânea

Redação

23 de junho de 2015 | 11h52

Mais da metade (54%) dos municípios do Rio apresenta risco grave de incêndio florestal, aponta o Mapa das Ameaças Climatológicas, lançado no início deste mês pela secretaria de Defesa Civil do Estado.

O estudo apresenta os locais de prevalência de casos de incêndio e estiagem nas cidades e regiões fluminenses. Foram estabelecidas cinco classes de risco para identificar áreas consideradas críticas.

 

Os casos mais graves de estiagem estão concentrados no norte fluminense

 

“Mais de 54% dos municípios estão classificados na classe severa de risco, no caso de incêndio florestal. No caso da estiagem, o cenário mais grave atinge 34%”, disse o coronel Paulo Renato Vaz, diretor-geral do Departamento de Defesa Civil, reconhecendo que deve haver mais planejamento, coordenação e ações preventivas para evitar danos.

Os casos mais graves de estiagem estão localizados no norte fluminense. Já o risco de incêndios florestais está concentrado nas regiões metropolitana, serrana e litorânea. Em outubro, um incêndio destruiu quase 10% do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, na região serrana do Estado.

Segundo a Defesa Civil, o estudo permitiu a elaboração de 168 planos de contingência. O objetivo é realizar parcerias com órgãos municipais e prepará-los para enfrentar ameaças climatológicas.

“Tão importante quanto conhecer o risco de desastres é tomar medidas para reduzi-lo. Construímos essa ferramenta com o apoio de 86 Defesas Civis municipais e produzimos 168 planos de contingência para enfrentar as ameaças de estiagem e incêndio florestal”, disse Vaz.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.