As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ministério da Saúde quer vacinar 371,9 mil contra o HPV no Rio

Meta é imunizar meninas entre 9 a 11 anos. Vírus causa câncer de colo de útero, 3º tipo que mais mata mulheres no Brasil

Redação

10 Março 2015 | 09h25

O Ministério da Saúde pretende vacinar 371,9 mil meninas de 9 a 11 anos no Estado contra o Papiloma Vírus Humano (HPV), causador do câncer de colo do útero, a partir deste mês de março. De acordo com o Ministério, foram enviadas 390,5 mil doses do imunobiológico ao Rio. No ano passado, foram vacinadas adolescentes entre 11 e 13 anos. Com isso, órgão considera que essa pode ser a primeira geração livre do risco de contrair câncer de colo do útero.

O câncer do colo do útero é o terceiro tipo de câncer que mais mata mulheres no Brasil, atrás apenas do câncer de mama e de brônquios e pulmões. O número de mortes no país cresceu 28,6% em uma década, saindo de 4.091 mortes, em 2002, para 5.264, em 2012. Os dados são do Atlas de Mortalidade por Câncer no Brasil, publicação do Ministério da Saúde e do Instituto Nacional do Câncer (Inca). O HPV é um vírus transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas durante a relação sexual. O contágio também pode ocorrer entre mãe e filho no momento do parto.

Segundo o Ministério da Saúde, a meta é vacinar, em parceria com as secretarias estaduais e municipais da saúde, 80% do público-alvo.  Esta ano, haverá a inclusão de 33,5 mil mulheres de 9 a 26 anos portadoras do vírus HIV, o que às torna mais suscetíveis a complicações geradas pelo HPV. De acordo com informações do Ministério da Saúde, esse grupo tem cindo vezes mais chances de desenvolver câncer de colo do útero que a média da população. A prioridade para essas mulheres é recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

No ano passado, no Rio de Janeiro, 100% das adolescentes de 11 a 13 anos receberam a primeira dose da vacina. Já na segunda fase da campanha, a adesão foi de 56,1%. Para ser vacinada, a jovem precisa se apresentar em um dos pontos de aplicação com documento de identificação. Cada menina deverá tomar três doses da vacina para ser completamente imunizada. A segunda dose deve ser tomada seis meses depois da primeira, e a terceira, cinco anos após a primeira dose.