As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Noite violenta termina com tiroteios em 3 morros com UPPs

Além do Salgueiro, Turano e Providência também registraram confrontos, que deixaram ao menos um morto e cinco feridos

Carina Bacelar

10 de fevereiro de 2015 | 10h57

A noite de segunda-feira (9) teve ao menos três registros de episódios de violência em comunidades que abrigam Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) do Rio. Além de um confronto entre homens da UPP do Salgueiro e criminosos durante uma emboscada, houve tiroteios no morro da Providência, no Centro, e no morro do Turano, no Rio Comprido, na zona norte.
No confronto do Centro, policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) trafegavam pela região quando pararam em um engarrafamento em frente ao Beco da Pedra Liza, na Rua Rego Barros, próximo ao Morro da Providência. Ao perceber a aproximação de policiais, um homem armado com um fuzil disparou contra os agentes. Um policial acabou ferido e socorrido ao Hospital Estadual Souza Aguiar. A ocorrência foi registrada na 4ª Delegacia de Polícia (DP), no Centro.
Já no morro do Turano, um suspeito morreu e outro ficou ferido em um tiroteio com policiais militares por volta das 21 horas. Pablo Freitas Cruz  e um adolescente foram encaminhados para o Hospital Municipal Souza Aguiar, mas Pablo acabou não resistindo os ferimentos. Na ação, policiais prenderam um homem e aprenderam um adolescente. Eles foram encaminhados para a 17ª DP, onde o caso foi registrado.
Policiamento reforçado. Devido aos confrontos da noite anterior, a região da Tijuca, onde ficam os morros do Turano e do Salgueiro,  amanheceu com policiamento reforçado nesta terça-feira (10).  Dois PMs feridos no tiroteio no Salgueiro, encaminhados para hospitais da região, estão, segundo médicos, fora de perigo. Um homem não identificado também sofreu ferimentos. Após a troca de tiros, criminosos atacaram um ônibus, que teve os vidros quebrados, e   tentaram quebrar carros particulares.  (Colaborou Fábio Grellet)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.