O lanterna Vasco e seus discursos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O lanterna Vasco e seus discursos

Eurico Miranda já disse que escolheu treinador para jogar para frente e sem se preocupar com tática; Jorginho acha o máximo

Marcio Dolzan

17 Agosto 2015 | 16h13

Segurando a lanterna de sua nau à deriva no Campeonato Brasileiro, o Vasco apresentou nesta segunda-feira seu novo treinador, Jorginho. É o terceiro técnico do time em uma competição que chegou recém à metade. A substituição do comando técnico é a mais recente decisão (aposta) do presidente do clube, Eurico Miranda, para fazer o clube voltar a navegar em águas mais tranquilas – e talvez uma tentativa do mandatário para não ter de passar um período sabático na Sibéria.

Quando apresentou o primeiro de seus treinadores para esta temporada, Eurico estava convicto de sua escolha. “Estamos apresentando hoje um treinador que se encaixa perfeitamente no perfil do Vasco. Muitos podem estar pensando que se enquadra no perfil salarial, mas não é isso. Se encaixa no perfil do Vasco”, anunciou o presidente do clube à época, com o técnico Doriva ao seu lado.

“Ele é jovem, vitorioso, e com certeza vai vir com disposição e metas pessoais de acordo com o que o Vasco busca. Vem, acima de tudo, para fazer alguma coisa que foi um pedido meu, que é botar o time para frente. Pode armar da maneira que quiser, mas desde que jogue para frente. Já adianto logo que não vem para ser treinador que se não tiver resultado está fora. Vem, inicialmente, com contrato de um ano, mas espero que fique pelo menos até o fim do meu mandato.”

O mandato do Eurico termina em dezembro de 2017. O do Doriva terminou em junho de 2015.

Caiu o Doriva, chegou o Celso Roth. E quando o Roth foi apresentado (isso foi tipo ontem), Eurico Miranda estava lá para dar suas boas vindas. “A única coisa que eu quero dizer é que eu conheço o Celso há muito tempo. Em questão de trabalho, há mais de dez anos. Só para resumir, eu não vejo treinador de futebol pelos sistemas táticos. Para mim, a maior qualidade de um técnico é o trabalho, e foi como eu defini o Celso.”

De um Doriva que havia escolhido para que “jogasse para frente”, Eurico mudou para um técnico cujo sistema tático era o de menos. O importante era o trabalho.

Celso Roth perdeu sete das 11 partidas que comandou.

Já nesta segunda-feira, Eurico Miranda não esteve na entrevista coletiva de apresentação de Jorginho. Sem o presidente para opiniões convictas, coube ao novo treinador dar uma declaração dessas inesquecíveis. “Já rodei bastante, trabalhei no Brasil, na Alemanha, mas sem sombra de dúvida, o presidente Eurico Miranda é um dos maiores dirigentes do futebol brasileiro, se não do futebol mundial”, afirmou Jorginho.

Nesta segunda-feira fez 13°C na Sibéria. Até que está agradável.

Eurico Miranda foi elogiado por seu terceiro treinador no ano (Foto: Wilton Junior/Estadão)

Eurico foi elogiado por seu 3.º treinador no ano (Foto: Wilton Junior/Estadão)