As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palácio Guanabara pode ser visitado todo último sábado do mês

Sede do governo do Estado, em Laranjeiras, oferece visitas guiadas às 9h, 10h e 11h. Imóvel de 1853 foi residência da Princesa Isabel

Fabio Grellet

27 de fevereiro de 2015 | 16h36

O Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio, situado em Laranjeiras (zona sul do Rio), pode ser visitado todo último sábado do mês. A visita guiada é oferecida desde janeiro e pode ser feita em três horários: às 9 horas, 10 horas e 11 horas. O passeio é orientado por estudantes do curso de Turismo e Hotelaria do Senac Rio, parceiro do governo estadual nesse projeto.

A visita se inicia pelo salão nobre e inclui a sala onde, durante uma reforma em 2011, foi descoberto um calçamento centenário, além do jardim. Neste sábado (28) também haverá apresentação dos alunos do Programa Ação Social pela Música, projeto que atende jovens e crianças de comunidades pacificadas.

Quem quiser fazer a visita guiada deve enviar um e-mail para visitaguiada@casacivil.rj.gov.br com nome completo, cópia do documento de identidade com foto e telefone para contato.

História. O Palácio começou a ser construído em 1853, pelo português José Machado Coelho, que o utilizou como residência particular por menos de dez anos. No início da década de 1860 foi reformado e a partir de 1865 tornou-se residência da princesa Isabel e de seu marido, o Conde d’Eu. A partir de então passou a ser chamado de Palácio Isabel. À época o acesso ao palácio era feito pela Rua Paissandu, que por isso foi ornada com uma centena de palmeiras imperiais.

O imóvel pertenceu aos príncipes até a proclamação da República, em 1889, quando foi confiscado pelo governo do marechal Deodoro da Fonseca e transferido ao patrimônio da União.

Durante o Estado Novo (1937-1945), o palácio foi utilizado como residência oficial pelo então presidente Getúlio Vargas. De 1946 até  1960 (ano em que Brasília foi inaugurada e passou a ser a capital do País) sediou a Prefeitura do Distrito Federal, e depois foi doado pela União ao governo do antigo Estado da Guanabara.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.