“Rio deve considerar terrorismo nos Jogos Olímpicos”
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

“Rio deve considerar terrorismo nos Jogos Olímpicos”

Alerta é de generais franceses especialistas em segurança, que vieram à cidade para troca de informações sobre novas tecnologias

Roberta Pennafort

09 de abril de 2015 | 16h36

testeira-olimpiada2016

 

Os especialistas franceses Guy Parayre e Thierry Orosco fizeram palestra no Rio (Foto: Wilton Junior/ Estadão)

Os especialistas franceses Guy Parayre e Thierry Orosco fizeram palestra no Rio (Foto: Wilton Junior/ Estadão)

 

O Rio deve se preparar para deter possíveis ataques terroristas durante os Jogos Olímpicos de 2016, disse ontem o especialista francês em segurança Guy Parayre, no Rio para troca de informações sobre novas tecnologias para o setor. Ele é consultor da INEO, empresa do grupo GDF SUEZ que, no Rio, foi responsável pela instalação das câmeras de vigilância da Prefeitura, da Ponte Rio-Niterói e da Linha Amarela. Na França, são 600 cidades cobertas pelas câmeras da empresa, entre elas, Paris, Lyon e Nice; só na capital do país, são 1.106 unidades.

“As autoridades brasileiras têm que dar segurança aos atletas e espectadores e o mais drástico seria um ato terrorista. Isso sempre deve ser considerado num evento desse porte”, alertou Parayre, que é general do Exército da França. Hoje cedo, ele e o general-de-brigada Thierry Orosco, diretor da INEO, se reuniram com o secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, e com o diretor executivo de Operações do Comitê Rio 2016, general Marco Aurélio Costa Vieira, para troca de experiências.

“Não viemos dar lições de segurança para o Rio. Cada país e cada cidade devem levar em conta as suas necessidades”, afirmou Parayre, lembrando que o Rio tem 600 câmeras em operação e que não há previsão, por enquanto, de aumento desse número com vistas às Olimpíadas. “O número de câmeras não determina a segurança de uma cidade, elas são apenas um instrumento. Mas quanto mais câmeras se tem, mais coisas se vê. Só que a cidade do Rio não está partindo do zero”, ponderou Orosco. Os dois oficiais deram palestra sobre novas tecnologias e gestão operacional de segurança para empresários.

Tudo o que sabemos sobre:

Rio 2016; ataques terroristas: INEO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: