Boaventura de Sousa Santos: a quarentena dentro da quarentena
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Boaventura de Sousa Santos: a quarentena dentro da quarentena

Morris Kachani

09 de junho de 2020 | 19h11

O confinamento não apenas é fictício, mas ideológico

Por Isabella Marzolla

Assista à entrevista: https://youtu.be/uY3T4pPX9m0

Em seu último livro, lançado em 18 de abril, “A Cruel Pedagogia do Vírus”, o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos busca traçar, como indica o título, uma didática argumentação sobre os desdobramentos dramáticos da pandemia do coronavírus à luz da situação econômica e política dos últimos anos.

O autor fala em um novo paradigma social e propõe uma utópica reinvenção da emancipação do ser.

Amigo pessoal do ex-presidente Lula, Boaventura é doutorado em Sociologia do Direito pela Universidade de Yale, professor da Universidade de Coimbra – onde criou o curso de Sociologia – e da Faculdade de Direito da Universidade de Wisconsin.

“O século XIX começou com a Revolução Industrial; o século XX começou com a 1º Guerra Mundial em 1914 e com a Revolução Russa de 1917, isto é, com acontecimentos que marcam algo novo. A pandemia vai marcar o século XXI; este modelo de desenvolvimento atingiu um colapso. É a primeira pandemia da globalização. Não vamos ter um pós-pandemia; vamos ter uma pandemia intermitente. Essa é uma das pedagogias do vírus.”

“Quanto mais à direita o governo, mais morre gente nessa pandemia.”

“O Trump e o Bolsonaro não falam para um país, eles falam para a sua base. (…) Eles estão a seguir o mesmo script, e posso dizer que quem escreve esse script é Steve Bannon.”

“A democracia brasileira está à beira de um colapso. Tomem cuidado.”

“A rentabilidade das empresas não é compatível com a democracia. (…) O Guedes aplicou o modelo dele no Pinochet, que foi uma ditadura.”

“Portugal mostrou em 2016 que o neoliberalismo é uma mentira. Os brasileiros vão aprender. O neoliberalismo é muito importante para fazer uma coisa, que faz muito bem, que é concentrar a riqueza.”

“Vamos entrar, lentamente, em uma transição pragmática para uma outra civilização”.

“Como diz Sartre, qualquer ideia antes de se realizar é utópica.”

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.