A minha “verdade” vale mais que a sua “verdade”?

A minha “verdade” vale mais que a sua “verdade”?

Paulo Silvestre

28 Junho 2018 | 11h20

Foto: Creative Commons

No dia 10 de maio, a operação brasileira do Facebook anunciou a associação a agências de checagem de fatos para combater as “fake news”, as infames notícias falsas que inundam as redes sociais. Apesar de positivo, isso vem sendo combatido por organizações conservadoras. Elas acusam a iniciativa de ser, na verdade, uma ferramenta que a rede social teria criado para censurar seus conteúdos e “asfixiar a direita”, com “agências de esquerda decidindo o que é verdade”. Bem, essa campanha difamatória, por si só, já tem muitas características de “fake news”. Entretanto, como vivemos um perigoso momento em que versões valem mais que fatos, as pessoas estão extremamente intolerantes e ansiosas. Você já parou para pensar como anda a sua capacidade de conviver com ideias divergentes da sua?

Para entender melhor o caso, de agora em diante, os usuários do Facebook poderão marcar, na própria rede social, notícias que eles acreditem ser falsas. Esse material será então verificado pelas agências selecionadas no Brasil: a Lupa e a Aos Fatos, integrantes da International Fact-Checking Network (IFCN). Caso se confirme que a notícia postada é mesmo falsa, ela não será retirada da plataforma, mas sua exibição diminuirá consideravelmente no feed de notícias dos usuários, além de não poder mais ser promovida mediante pagamento. Páginas e usuários que publicarem muitas notícias falsas serão proibidos de usar anúncios para aumentar suas audiências.

Essa iniciativa já acontece nos EUA desde dezembro. Segundo o próprio Facebook, na terra do Tio Sam, foi verificada uma redução de 80% das “fake news” na plataforma. Apenas no primeiro trimestre, foram identificadas e removidas 583 milhões de contas falsas! E vale lembrar que, no material penalizado, havia igualmente conteúdos conservadores e liberais.


Vídeo relacionado:


Assim como está acontecendo aqui, grupos conservadores também torceram o nariz lá. Entretanto, o apedrejamento moral aqui tem sido pior, com profissionais das agências sendo pesadamente achincalhados. Trata-se de um comportamento inadmissível em uma sociedade civilizada, digno de quem não consegue conviver e aprender com diferenças, criando um ambiente hostil de “ou está comigo ou está contra mim”.

Até bem pouco tempo atrás, essa gritaria jamais seria levada a sério. Entretanto, hoje ela está aí, sendo disseminada por muita gente e embolando o meio de campo. E a culpa disso é, pelo menos em parte, das próprias redes sociais e seus algoritmos de relevância, que nos apresentam conteúdos com os quais já concordamos, criando uma “bolha de conformismo”.

Resultado: pessoas cada vez mais intolerantes a quem pensa diferentemente delas.

 

O que são as “fake news”?

As malfadadas notícias falsas, que estão no centro desse imbróglio, existem desde que o jornalismo surgiu, com a “Acta Diurna”, criada por Júlio César, em 69 aC. Como pode ser visto no vídeo abaixo, uma compilação das aparições do “leitor de notícias romano” na série “Roma”, da HBO, o teor do noticiário variava de acordo com os interesses de quem era o governante da vez.

O que diferencia uma “fake news” de um simples boato é que as primeiras têm um objetivo –político, econômico, ideológico– bem definido, apesar de que, na maioria das vezes, ele não apareça. Além disso, as “boas fake news” –se me permitem o abuso de linguagem– são construídas misturando fatos verdadeiros com outros mentirosos ou distorcidos, para aumentar a sua credibilidade. Por fim, para que elas prosperem, precisam ser “plantadas” –ou seja, apresentadas diretamente– em pessoas que gostariam que aquela informação fosse de fato verdadeira, para que comecem a se espalhar com força pela rede, graças aos algoritmos.

Elas também são bastante “democráticas”, atendendo a interesses conservadores ou liberais indistintamente. Basta ver o estudo do BuzzFeed do final de 2016 que demonstrou que as notícias falsas sobre a Operação Lava-Jato, conservadoras ou liberais, geraram mais engajamento que as verdadeiras. Nos EUA, aconteceu o mesmo, com as ”fake news” engajando mais que o jornalismo na reta final da campanha presidencial.

De fato, o termo “fake news” explodiu justamente com as suspeitas de que elas teriam ajudado Donald Trump a se eleger presidente dos EUA, especialmente as publicadas no Facebook. Mesmo assim, por bastante tempo, Mark Zuckerberg tentou se eximir de qualquer culpa nisso, argumentando que sua empresa é apenas uma plataforma, não podendo ser responsabilizada pelo que as pessoas publicam ali, e que as tais notícias falsas não teriam poder de impactar uma eleição.

Que me desculpe o Mark, mas qualquer empresa que tenha 2,2 bilhões de usuários ativos, ainda mais nesse ramo, não pode se eximir de uma responsabilidade como essa. E, de fato, isso foi escancarado pelo escândalo que explodiu em março, que comprovou que a empresa Cambridge Analytica usou recursos oferecidos do Facebook para roubar dados de 87 milhões de seus usuários para justamente disseminar “fake news” para ajudar na eleição de Trump.

Algo precisava ser feito para conter esse incêndio florestal.

 

Se não é pelo amor, é pela dor

Justiça seja feita, o Facebook já vinha tomando algumas atitudes antes do escândalo da Cambride Analytica para tentar conter as “fake news”. A mudança de seu algoritmo no dia 11 de janeiro, que enfureceu empresas (inclusive de comunicação), foi uma delas. Outra coisa é justamente essa parceria com as agências de checagem de fatos.

Fico feliz de ver que o Facebook esteja, de alguma forma, assumindo a sua responsabilidade nesse cenário. Arrisco a dizer que as “fake news” são uma das maiores ameaças a democracias de todo mundo no momento. O ministro Luiz Fux, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, chegou a dizer que as eleições brasileiras poderiam chegar ao extremo de ser anuladas se fosse comprovado que “fake news” foram decisivas para a vitória de qualquer candidato.

Além desses macroefeitos, essa praga está nos transformando em uma sociedade que não acredita em mais nada e mais ninguém. Isso é perigosíssimo! Se essa tendência de descrença se consolidar, perderemos a nossa capacidade de inovar pelo trabalho em equipe e pela construção coletiva de ideias. Estagnaremos nossa evolução como comunidade e como indivíduos! E, para piorar, seremos cada vez mais usados como massa de manobra de vivaldinos políticos e ideológicos.

Bom para eles! Péssimo para nós!

Nosso crescimento depende da contraposição de ideias, especialmente de ideias complementares e até mesmo antagônicas! Isso vale para nossa formação escolar, para nosso desemprenho profissional, para nossas atitudes como cidadão, para nosso papel familiar. Disse certa vez o grande Nelson Rodrigues: “Toda unanimidade é burra. Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar”.

Portanto, ainda bem que o Facebook firmou esse acordo com essas agências. A sociedade precisa disso! Talvez não seja ainda uma ação perfeita, mas já é algo. Devemos não apenas apoiar iniciativas como essa, como também disseminar o seu uso. Afinal, apenas o conteúdo mentiroso será impactado por essa ela, qualquer que seja o seu alinhamento.

E quem não deve não teme


Artigos relacionados: