A verdade não pode perder o seu valor ou todos pereceremos

A verdade não pode perder o seu valor ou todos pereceremos

Paulo Silvestre

27 de junho de 2022 | 07h30

Levantamento global demonstra que países cujos governos negaram a ciência tiveram proporcionalmente mais casos e mortes por Covid-19

Levantamento global demonstra que países cujos governos negaram a ciência tiveram proporcionalmente mais casos e mortes por Covid-19

 

Nessa semana, conversava com uma pessoa que disse que o meu “problema” é que eu vendo um “produto” que anda em baixa no mercado: no caso, a verdade. Mas quando as pessoas perdem seu apreço pela verdade, uma série de aspectos civilizatórios vão para o ralo com ela, abrindo caminho para todo tipo de mazelas.

Nesse sentido, foi emblemático um acontecimento neste sábado, durante o Brazil Forum UK, realizado em Oxford (Inglaterra). Enquanto defendia o sistema eleitoral brasileiro, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e ex-presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Luís Roberto Barroso foi interrompido e chamado de “mentiroso” por duas pessoas na plateia.

Barroso parou sua fala para explicar que “esse é um dos problemas que nós estamos enfrentando no Brasil, um déficit imenso de civilidade”. E, de fato, é uma pena ver parte da população querer “ganhar no grito” quando lhe faltam argumentos diante dos fatos. Quanto mais rumamos para esse caminho da barbárie, mais a democracia e a própria sociedade se esfacelam. E isso não se dá apenas por uma inconsequente batalha de narrativas.


Veja esse artigo em vídeo:


Daqui a cem anos, talvez os historiadores olhem para essa época como nós olhamos para os anos após a Primeira Guerra Mundial. Eles produziram os elementos para o surgimento do fascismo italiano e do nazismo alemão, que culminaram na Segunda Guerra e no Holocausto.

A despeito da grotesca invasão da Ucrânia pelo presidente russo, Vladimir Putin, quero crer que não estejamos caminhando para a Terceira Guerra Mundial. Mas essa época ficará marcada por algo de enorme dramaticidade social, que é a substituição da verdade por narrativas falaciosas, para atender a interesses de grupos políticos que aprenderam a usar os meios digitais para manipular as massas com enorme eficiência.

Não se trata apenas de narrativas inofensivas. Por exemplo, o estudo “Estimando Infecções Diárias e Cumulativas Globais, Regionais e Nacionais com SARS-CoV-2”, recém publicado na prestigiosa revista médica “The Lancet”, escancara como países cujos governos negaram ou postergaram as indicações científicas contra a doença, como vacinação, uso de máscaras e distanciamento social, e abraçaram teorias conspiratórias e medidas inócuas de combate ao vírus tiveram proporcionalmente muito mais infectados e mortos que aqueles que se valeram da verdade.

Isso pode parecer óbvio, mas o óbvio precisa ser dito, especialmente quando a Covid-19 continua vitimando pessoas por esses motivos.

Outro indicador de que a verdade vai muito mal em nosso país pode ser visto no também recém-publicado “Índice de Capacidade de Combate à Corrupção 2022”. O levantamento é feito anualmente pela instituição Americas Society/Council of the Americas e pela consultoria Control Risks, e avalia 14 critérios, como a independência das instituições judiciais, o combate a desvios de recursos e a força do jornalismo.

O Brasil infelizmente está em queda livre. Em um ano, caímos da sexta para a décima posição, de um total de 15 países, ficando atrás do líder Uruguai e de vizinhos como Peru, Argentina e Colômbia. Na primeira edição, realizada em 2019, o Brasil era o segundo no ranking, atrás apenas do Chile, que aparece em terceiro agora.

Segundo o relatório, o Brasil piorou com os ataques à independência e à eficiência das agências anticorrupção, mas destaca positivamente a resiliência do STF e do TSE ao processo de desgaste junto à população com fake news. Dos 14 critérios, a pior nota (de 0 a 10) do Brasil ficou em “processos legislativos e normativos”, com mísero 1,3, bem abaixo da média regional.

Há, entretanto, esperança para a verdade no estudo: nossa melhor nota ficou em “qualidade da imprensa e jornalismo investigativo”, onde cravamos 7,5, acima da média dos países avaliados.

 

Fato ou versão?

A desmoralização da verdade não vem de hoje. Esse processo ganhou força há cerca de uma década, como ferramenta de ascensão ao poder. Tanto que o mecanismo foi destacado em 2016 pelo renomado Dicionário Oxford. Naquela edição, seus organizadores elegeram “pós-verdade” como a “palavra do ano”. Na sua definição, ela é “relativa ou referente a circunstâncias nas quais os fatos objetivos são menos influentes na opinião pública do que as emoções e as crenças pessoais.”

A mentira sempre foi uma poderosa ferramenta na mão de pessoas inescrupulosas para atingir seus objetivos controlando as massas. Basta lembrar da máxima forjada por Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Adolph Hitler, para legitimar suas atrocidades: “uma mentira dita uma vez é apenas uma mentira; já uma mentira dita mil vezes se torna verdade”.

Para conseguir o que queria, o Fürher destruiu os mecanismos de controle do governo e submeteu a imprensa. Com um discurso nacionalista, pôde escolher os “inimigos do povo alemão”, que o abraçou cegamente em sua jornada de horrores. Quem discordasse era sumariamente eliminado.

A diferença é que, de uma década para cá, populistas do mundo todo descobriram nas redes sociais a ferramenta perfeita para dizerem uma mentira não apenas mil vezes, mas um milhão de vezes! Em linha com a definição de pós-verdade do Dicionário Oxford, manipulam a emoção de milhões de pessoas, que os defendem mesmo diante de fatos inegáveis e amplamente conhecidos, mesmo diante da barbárie e da ausência de civilidade.

Nesse aspecto, retrocedemos quatro décadas. As instituições democráticas continuam sendo alvejadas e muitas já estão em ruínas. Ainda assim, por mais que tenhamos “voltado muitas casas no Jogo da Vida” com as mentiras, sempre podemos dar novos passos para a frente com a verdade. Assim o ser humano evolui.

A verdade é o que é, mesmo quando ela nos desagrada. As pessoas precisam parar de acreditar em quem distorce a realidade para que ela fique mais palatável a seus desejos e crenças. Por mais que isso possa trazer um conforto momentâneo, no final das contas, os únicos beneficiados serão aqueles que plantam as mentiras.

“Precisamos resgatar a civilidade, que é a capacidade de divergir com respeito e consideração pelo outro”, disse Barroso em Oxford, no sábado. Para o ministro do STF, “nós viramos um país de ofensas”.

Precisamos mesmo! Sem civilidade, sem verdade, não há esperança. Como diz o ditado, “o pior cego é o que não quer ver”. Pior ainda é quem se faz de cego por conveniência.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.