Como conseguir mais tempo?

Como conseguir mais tempo?

Paulo Silvestre

28 de setembro de 2020 | 07h45

Uma das coisas que mais ouço das pessoas é que elas estão sem tempo, que elas gostariam de ter mais para fazer o que quisessem e o que precisassem. Eu mesmo adoraria que o dia tivesse 72 horas para fazer as mesmas coisas!

Naturalmente isso não é possível. Mas será que conseguiríamos ter, pelo menos, mais tempo livre para nós?

O tempo é, sem dúvida, o recurso mais valioso da humanidade, por um motivo muito simples: não temos como conseguir mais, não dá para comprar tempo! Você pode ter todo o dinheiro do mundo, mas terá rigorosamente o mesmo tempo que qualquer outra pessoa.

Nos últimos meses, a pandemia parece ter ampliado a percepção de que estamos ficando com ainda menos tempo. Sim, porque isso é uma percepção: o tempo é absoluto!


Veja esse artigo em vídeo:


Não é de se espantar, portanto, que o desejo de controlar o tempo é uma das fantasias mais incríveis da humanidade, aliás explorada bastante pela ficção.

A primeira obra assim que se tem notícia é o livro “A Máquina do Tempo”, publicado pelo escritor britânico H. G. Wells em 1895. A obra, que rendeu, dois filmes para o cinema, um em 1960 e outro em 2002, conta a história de um cientista que cria uma máquina para viajar no tempo, e acaba no ano de 802.701 d.C.

O tema está novamente na moda graças à série alemã “Dark”, cuja terceira temporada foi lançada em junho. Ela aborda outra maneira de se viajar no tempo, por um fenômeno teórico físico conhecido como “buraco de minhoca”, uma espécie de atalho entre dois pontos do contínuo espaço-tempo.

Mas nada captou esse conceito tão bem e criou uma história tão envolvente quanto a trilogia “De Volta para o Futuro”, de Robert Zemeckis, estrelada por Michael J. Fox e Christopher Lloyd, cujo primeiro filme é de 1985. Quem não gostaria de voltar no tempo para fazer o que não fez, corrigir coisas erradas ou deliberadamente mudar o seu futuro, não é mesmo?

Pena que não dá!

Isso é algo teórico, especulativo, que provavelmente nunca acontecerá. Então temos que aprender a viver com a nossa realidade e tirar o máximo dela.

 

“A vida passava mais devagar”

De onde vem essa percepção de que estamos com menos tempo?

De um motivo bem simples: enfiamos coisas demais dentro das 24 horas do dia, cada vez mais!

A tecnologia nos permite fazer muito, muito mais que nossos pais faziam no mesmo período, e isso é ótimo! O problema é que não sabemos quando parar: queremos fazer sempre mais!

Há alguns anos, vi um estudo que dizia que a quantidade de informação publicada em apenas uma semana pelo jornal americano “The New York Times” era maior que toda a informação a que alguém no século XVIII era exposta em sua vida inteira.

Como dizem os antigos, “a vida passava mais devagar antigamente”.

As redes sociais agravaram isso, como aliás escancarou o documentário “O Dilema das Redes”, lançado na Netflix no dia 9 e que está causando grande alvoroço. Vivemos hoje na chamada “economia da atenção”. A nossa atenção é vendida pelas plataformas digitais a seus anunciantes. Portanto, elas precisam criar mecanismos convincentes para que fiquemos cada vez mais pendurados nelas, ou, como se diz nas próprias redes, cada vez mais “engajados”.

Estamos perdendo o controle do nosso tempo!

Queremos fazer tanta coisa com ele, e o estamos entregando de bandeja para quem ganha dinheiro a nossas custas. Estamos até mesmo ficando doentes com isso. Uma das doenças da modernidade responde pela sigla FoMO: “fear of missing out”, ou o “medo de perder algo”. Por causa dela, não saímos das redes sociais, pois estamos condicionados a tentar ver tudo que nossos amigos publicam, mesmo as inutilidades.

Para termos mais tempo, precisamos forçosamente romper esse comportamento que nos aprisiona! Ninguém vai morrer se perder o último meme ou ficar de fora da teoria da conspiração mais recente. Mesmo notícias realmente importantes para sua vida podem esperar algumas horas.

Portanto, defina horários do dia para entrar nas redes sociais e use comunicadores instantâneos, como o WhatsApp, com inteligência e parcimônia. Não deve ser muito tempo no dia, e respeite o que definir!

Aliás, desabilite as incontáveis notificações no seu computador e no seu celular. Elas são ladras de atenção e de tempo. Consuma seja lá o que for quando você quiser, e não quando algum algoritmo ordenar!

 

Dicas para ter mais tempo

Há incontáveis outras técnicas para otimizar seu tempo, como priorizar tarefas, dividir e delegar algumas delas, terminar o que começa. Isso é algo que você pode encontrar facilmente no Google, portanto não vou entrar nesses detalhes aqui.

Quero me concentrar em um pedido para sairmos das “bolhas” que a tecnologia insiste em nos colocar. Exerça seu senso crítico, pense por si só! Valorize o que realmente importa. Busque aprender coisas que lhe tornarão uma pessoa melhor, e não a infinidade de ofertas rasas que aparecem a toda hora em webinar e até em cursos caça-níqueis.

A tecnologia deve ser uma ferramenta para fazermos melhor o que temos que fazer, não para ficar nos enfiando mais tarefas e ideias goela abaixo. Ela tem que trabalhar para nós, e não o contrário!

Um comercial de fim de ano do Itaú, de 2016, pode nos ajudar a encontrar o caminho. Narrado pela “vovlogger” Lilia, que estrelou com a amiga Neuza uma campanha do banco naquele ano, ele explica como “conectar o tempo e a vida”. Segundo ela, “a vida é muito mais importante que o tempo”, e conclui que “o tempo vale o que a gente faz com ele”.

Essa é a grande resposta para quem está sempre buscando mais tempo!

Não tente espremer mais coisas no seu dia do que ele e principalmente você são capazes de comportar. Resista à sedução barata dos algoritmos de relevância das redes sociais. Priorize e valorize o que realmente importa para você e para quem estiver a sua volta!

O dia não pode ter 72 horas. Então aproveite melhor cada umas das 24 horas que você já tem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: