Estamos chegando ao fim do ano ou ao fim do mundo?

Estamos chegando ao fim do ano ou ao fim do mundo?

Paulo Silvestre

27 de dezembro de 2021 | 07h30

Kate Dibiasky (Jennifer Lawrence) e Randall Mindy (Leonardo DiCaprio), astrônomos que descobrem o cometa no filme “Não Olha Para Cima”

Kate Dibiasky (Jennifer Lawrence) e Randall Mindy (Leonardo DiCaprio), astrônomos que descobrem o cometa no filme “Não Olha Para Cima” – Foto: divulgação

Estamos na semana entre o Natal e o Ano Novo, um período do ano em que tradicionalmente pouca coisa acontece. Mas isso não importa em uma era de narrativas que valem mais que acontecimentos, e de enorme manipulação das massas. Por isso, o filme “Não Olhe Para Cima”, que chegou à Netflix nessa sexta, é incrivelmente oportuno.

O atual momento histórico será lembrado pela crise sanitária da Covid-19, que, em algum momento, finalmente será debelada de vez. Mas também ficará como aquele em que uma parcela da humanidade por opção desconectou-se do real para abraçar fantasias confortáveis, mesmo as bizarras. E isso não pode ser encarado como algo inocente ou sem consequências.

Fica a questão: quando venceremos essa outra pandemia mais resistente, a da desinformação, que potencialmente pode destruir o mundo?


Veja esse artigo em vídeo:


Na sátira produzida pela Netflix, dois astrônomos, vividos por Leonardo DiCaprio e por Jennifer Lawrence, descobrem que um cometa de dez quilômetros de diâmetro colidirá com a Terra em seis meses. Se nada for feito para desviar sua rota, significará o fim da vida no planeta. Os dois partem então em uma jornada quixotesca para explicar o perigo às autoridades e à população.

Apesar do apocalipse próximo e cientificamente irrefutável, eles precisam enfrentar políticos negacionistas, liderados pela presidente dos EUA (interpretada por Meryl Streep), uma parcela da mídia que espetaculariza os fatos e gigantes empresariais que querem lucrar com tudo, até mesmo com a rocha que pode matar todos nós.

A situação se torna dramática –e incrivelmente semelhante à nossa realidade– quando uma parcela considerável da população acredita e apoia esses políticos, os sensacionalistas e os magnatas da tecnologia. Esse grupo não quer se preocupar com o cometa e questiona se ele deveria ser desviado ou até mesmo se existe de fato.

Olhando de fora, esse comportamento parece irracional, mas é exatamente o que vivemos hoje. Em uma sociedade de consumo desenfreado e intolerante a frustrações, muita gente priorizará seus interesses, mesmo que isso prejudique a coletividade.

Se tiverem apoio e validação da massa, podem até mesmo praticar atos que jamais fariam sozinhos. Isso explica integrantes de torcidas organizadas que –quando estão nesses grupos– agridem e até matam aqueles que torcem por outro time, simplesmente por esse motivo.

Acontece que vivemos em uma sociedade hiperconectada, e as redes sociais em nossos smartphones nos garantem toda a validação de que necessitemos para qualquer barbaridade. Precisamos apenas de lideranças que nos indiquem o “caminho mais confortável”.

Mesmo que seja o caminho do abatedouro.

 

Já aconteceu antes

Chega a ser contraditório tanta gente acreditando nessas narrativas absurdas justamente quando a humanidade tem um acesso sem precedentes a informações. A diferença recai sobre a qualidade delas: quando são majoritariamente boas, uma sociedade se desenvolve. Caso contrário, os poderosos manipulam as massas a seu bel-prazer.

Talvez o melhor exemplo de uma sociedade controlada pela barbárie seja o nazismo de Hitler, que levou à Segunda Guerra e ao Holocausto. A despeito de os alemães da época serem bem educados, a crise do país abriu espaço para o surgimento daquele “salvador da pátria”, que propunha tornar a Alemanha grande de novo, eliminando os “inimigos da nação”, especialmente os judeus. Para isso, uma de suas primeiras ações foi destruir a imprensa livre, para que construísse uma narrativa sem oposição a suas ideias.

E assim os alemães embarcaram naquela loucura!

Isso aparece de maneira chocante em outra obra lançada na semana passada, a série “Passaporte Para Liberdade”, coprodução da Globo e da Sony Pictures, estrelada por Sophie Charlotte, Rodrigo Lombardi e Peter Ketnath. E, ao contrário do filme da Netflix, a loucura nazista realmente aconteceu.

Dessa forma, fico preocupado quando vejo que os ingredientes sociais vistos nessas obras crescem em nossa sociedade.

Muita gente nega a pandemia, talvez por ela ter matado “apenas” 5,5 milhões de pessoas, o que não dá nem 0,1% da população global. Mas esses provavelmente negariam também um cometa que poderia matar os 7,8 bilhões de seres humanos. Não se trata de escala, e sim em acreditar na narrativa mais conveniente. E é isso que torna “Não Olhe Para Cima” tão perturbador.

 

Ciência e informação salvam vidas

Entre 1918 e 1920, a Gripe Espanhola matou algo como 50 milhões, 2,8% de uma população global de 1,8 bilhão na época. A situação da pandemia de Covid-19 só não foi tão dramática porque agora temos uma ciência muito melhor, mas também acesso a informações de qualidade, que se contrapõem ao negacionismo. E ela só não é melhor porque grupos de poder não se envergonham em atrapalhar ambos para atingir seus interesses mesquinhos, mesmo às custas de milhões de vidas.

Muitas mazelas no mundo – como a fome, a ignorância e as doenças– são mantidas para que esses grupos atinjam ou se mantenham no poder. Elas sempre existiram, mas as camadas mais abastadas compram sua fuga desses males. Em uma raríssima exceção, a Covid-19 aproximou os mais ricos dos mais pobres, pois o vírus contamina indiscriminadamente.

Por isso, a desinformação precisa ser combatida, pois ela mata milhões!

No ano que vem, teremos uma prova de fogo no Brasil, com eleições que prometem ser as mais sujas da história, dominadas pela desinformação e pelo meio digital usado de maneira irresponsável. Os candidatos já captam o que cada grupo social quer que seja sua “verdade”, mesmo que não passe de uma perigosa bobagem. Preparam suas narrativas falaciosas para manipular as massas, afagando seus egos. Todos nós temos a obrigação de perceber e evitar isso, por mais eficiente que seja esse convencimento e por mais que as redes sociais nos manipulem.

De toda forma, é um grande alívio que não exista nenhum cometa em nossa direção. Como temos essa sorte, estamos chegando apenas ao fim do ano, e não ao fim do mundo.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.