Já é hora de sair das redes sociais?

Já é hora de sair das redes sociais?

Paulo Silvestre

21 de setembro de 2020 | 07h45

Chegamos a um ponto em que deveríamos sair das redes sociais? Na verdade, dá para fugir de sua influência e da sua manipulação?

Cada vez mais, eu ouço pessoas se dizendo preocupadas com a quantidade de informações que todas as redes sociais coletam de nós e a crescente capacidade que elas têm de nos manipular. Sim, todas elas coletam uma quantidade obscena de informações de todos seus usuários.

Com isso, têm o poder de nos manipular ou pelo menos induzir sobre o que devemos ler, comprar, quem devemos seguir e até quem pode ser nosso novo melhor amigo. E isso é um poder sem precedentes na história da humanidade.

Há alguns dias, assisti ao documentário “O Dilema das Redes”, que estreou na Netflix no dia 9. Ele escancara como as redes sociais coletam continuamente as nossas informações, nos manipulam e até, de certa forma, como nos viciam.


Veja esse artigo em vídeo:


Como diz no documentário o professor da Universidade de Yale Edward Tufte, “existem apenas duas indústrias que chamam seus clientes de usuários: a de drogas e a de software”.

Para quem estuda o tema há anos, como eu, o filme não chega a trazer nenhuma grande novidade. Mas é interessante ver ex-executivos de gigantes do mundo digital contando claramente as ações mais sórdidas e condenáveis de seus antigos empregadores.

As redes fazem isso para ganhar dinheiro vendendo um dos commodities mais valiosos do mundo: a atenção das pessoas. Ou seja, empresas pagam para as plataformas digitais para que elas mostrem para nós produtos que tenhamos grande chance de comprar.

Portanto, nós não somos clientes das redes sociais; somos seu produto! Nós somos vendidos para os verdadeiros clientes, que são os anunciantes.

Isso é possível graças ao chamado “capitalismo de vigilância”, em que as empresas continuamente nos monitoram, coletando nossos dados, observando nossas ações, nossas conversas. Esse oceano de dados e a inteligência artificial de seus algoritmos lhes permitem antecipar tendências, prever comportamentos, descobrir nossos desejos e medos. Daí, para nos vender qualquer coisa, é só escolher no portfólio quase infinito de ofertas de anunciantes aquela que mais nos satisfaz.

Para isso, as redes devem nos manter continuamente “engajados”, para usar um termo popularizado por essas plataformas. Além disso, é interessante que sejamos afastados de pessoas que pensem de maneira diferente de nós, para reforçar nossas crenças, o que facilita as vendas.

Isso parece muito maquiavélico para você? E é mesmo!

Então por que aceitamos isso?

Porque nos causa prazer!

 

Viciados nas redes?

Temos necessidades biológicas ligadas a socialização. Precisamos conhecer e conversar com pessoas, e obter aprovação delas.

As redes nos oferecem isso em grande quantidade, ainda que superficialmente, o que libera dopamina em nosso cérebro. Ou seja, não somos viciados nas redes sociais, mas na dopamina que ela nos dá.

O filme mostra que isso acontece até com aquelas pessoas que dizem usar as redes sociais todos os dias, mas “apenas de maneira recreativa” e, por isso, dizem não ser viciadas.

Evidentemente elas estão erradas em algum grau!

Pesquisa da consultoria britânica GlobalWebIndex aponta que os brasileiros são o segundo povo que mais usa redes sociais no mundo, atrás apenas dos filipinos. Ficamos, em média, 225 minutos em redes sociais todos os dias, e esse tempo cresce continuamente.

Esse é o problema: nós queremos isso!

As redes sociais são uma perigosa zona de conforto para todos, acomodados por suas doses de dopamina e pelos serviços e facilidades, mesmo que isso nos mantenha em um “curral digital” à disposição dos sistemas.

Isso me lembra do filme “Matrix”, de 1999, na cena em que o personagem Cypher trai seus amigos humanos para que seja reconectado à Matrix. Mesmo sabendo que, na realidade, ele seria transformado em uma bateria viva para alimentar uma máquina, na sua mente ele teria a ilusão de uma vida de prazeres. E ele considerava uma ilusão doce melhor que uma realidade dura.

Quantos não pensam assim no mundo atual?

Sherry Turkle, professora do MIT (Massachusetts Institute of Technology) e autora do livro “Alone Together” ( “Sozinhos Juntos” em uma tradução livre), afirma que, à medida que a conexão digital com as pessoas aumenta, nossas vidas emocionais diminuem. Seu argumento é que, apesar de estarmos constantemente nos comunicando com outras pessoas pelas redes sociais, essas trocas acabam não sendo autênticas, o que nos leva à solidão.

Daí, no documentário, Tristan Harris, ex-especialista em ética de design do Google, compara as redes a chupetas que usamos quando estamos tristes ou sozinhos. Só que, como estamos cada vez mais tristes e sozinhos, recorremos o tempo todo a elas.

O psicólogo social Jonathan Haidt explica que isso está relacionado ao enorme aumento de depressão, ansiedade, suicídio e autoflagelo entre adolescentes nos Estados Unidos. Segundo ele, essa geração, que começou a usar as redes sociais durante a pré-adolescência, está mais frágil e se arrisca menos na vida.

Nosso cérebro não é capaz de acompanhar tanta informação, tantas notificações, tantas interações com tanta gente ao mesmo tempo. A ironia é que, quando tudo isso foi criado, aparentemente essas empresas entendiam que estavam fazendo algo positivo aos usuários. Mas depois perceberam o incrível poder que tinham em suas mãos. E decidiram usar isso!

E tem mais: outras empresas e pessoas perceberam que poderiam usar esses recursos para vender seus produtos e impor suas ideias. O mais incrível é que elas não “hackeiam” o Facebook: apenas fazem uso das ferramentas da plataforma.

Em um exemplo extremo, temos a eleição de Donald Trump com presidente dos Estados Unidos em 2016, que contou com o apoio decisivo da empresa Cambridge Analytica. Ela roubou os dados de 87 milhões de usuários do Facebook para que depois os manipulasse em favor da campanha. Esse escândalo, aliás, é retratado em outro ótimo documentário da Netflix, chamado “Privacidade Hackeada”.

Desse mesmo saco podre, vêm, por exemplo, a polarização ideológica extrema, o negacionismo e outros comportamentos cancerosos de nossa sociedade retroalimentados nas redes sociais.

 

Sem escapatória

Não há como fugir disso totalmente. Mas podemos fazer algo!

Não temos como escapar do rastreamento. Mesmo que eliminemos nossas contas nas redes sociais, continuaremos sendo monitorados pelo smartphone e uma quantidade crescente de equipamentos em casa, no ambiente externo e até no que vestimos!

O que temos que fazer é “furar nossas próprias bolhas”, não acreditar em tudo que as redes sociais nos apresentam. E não basta seguir pessoas que pensam diferentemente de nós: o algoritmo sempre vai descobrir a nossa zona de conforto para tentar nos colocar de volta na “nossa bolha”.

Precisamos exercitar a toda hora o nosso senso crítico, por mais que isso exija energia. Temos que nos balizar por valores que não podem ser relativizados ou esquecidos, como o direito à vida, a democracia, a liberdade de expressão, uma sociedade mais justa e uma convivência construtiva com todos. E isso deve ser feito com nossos valores, e não com o que as redes nos jogam na cara.

Temos que ser donos de nosso próprio destino, por mais difícil que possa parecer!

“O Dilema das Redes” começa com uma frase do dramaturgo grego Sófocles: “nada grandioso entra nas vidas dos mortais sem uma maldição”.

Temos que ter essa visão crítica de tudo na vida! Caso contrário, se terceirizarmos nossa capacidade de decisão aos algoritmos, aí sim seremos apenas massa de manobra.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: