Não dá mais para pesquisar olhando só para um lado

Não dá mais para pesquisar olhando só para um lado

Paulo Silvestre

11 de outubro de 2019 | 16h30

Debate realizado durante o 12º Encontro de Pesquisa do TIDD, da PUC de São Paulo – Foto: Marcio Freitas

Qual o papel do desenvolvimento científico de ponta para um país? Crítico, se ele quiser se destacar globalmente do ponto de vista social, econômico e político. A pesquisa fica cada vez mais interdisciplinar, e a universidade é o lugar ideal para puxar essa inovação, que depois alimenta as pesquisas das empresas. Infelizmente o Brasil precisa melhorar muito, especialmente em um cenário de cortes de investimentos para pesquisa pelo governo.

Nesse ano, o país subiu uma posição no ranking global de competitividade do Fórum Econômico Mundial, divulgado no dia 9. Ainda assim, amargamos apenas o 71º lugar de um total de 141 nações, muito pouco para um país de nosso tamanho, nosso potencial e que almeja ocupar um protagonismo global.

Segundo a instituição, uma das coisas que os países latino-americanos mais precisam investir para melhorar é a inovação. Vale lembrar que, em julho, o Brasil caiu duas posições no Índice Global de Inovação, organizado pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual, Instituto Europeu de Administração de Empresas e pela Universidade Cornell. Ficamos em um modesto 66ª lugar, de um total de 129 países.

Vivemos em um mundo interdisciplinar. As empresas que obtém mais sucesso hoje são aquelas que entendem isso e criam produtos que bebem em diferentes fontes do saber, para criar produtos capazes de atender um público mais amplo e menos especializado. As diferentes áreas andam cada vez mais de mãos dadas, por isso as pesquisas, tanto nas empresas, quanto na academia, precisam refletir isso.

Por isso, é uma grande alegria quando vejo iniciativas como o programa de estudos de pós-graduação de Tecnologias da Inteligência e Design Digital (TIDD) da PUC de São Paulo, onde estou concluindo meu mestrado. A interdisciplinaridade é justamente uma de suas propostas e isso apareceu claramente nas pesquisas apresentadas nesta quinta (10), durante o seu 12º Encontro de Pesquisa.

“Se nós não dermos a atenção para a construção de conhecimento para inovar, para ajudar a pensar, nós não poderemos avançar em termos de civilização, de humanidade”, explica a professora Ana Maria Di Grado Hessel, organizadora do evento. “É preciso que as pessoas conheçam mais, para que possam pensar melhor e mais criticamente.”

“É a nossa missão, o que a gente faz aqui dentro”, afirma Ítalo Santiago Vega, professor que coordenou uma das mesas do evento. “O debate e a conversa a respeito de ideias sempre são oportunos, e o meio acadêmico é o espaço reservado exatamente para que isso aconteça.”

É preciso que fique claro que a pesquisa acadêmica não é algo dissociado do mundo, como muita gente afirma, especialmente quem tem uma visão distorcida da vida, por um pragmatismo cego. Na verdade, é o contrário disso, funcionando de uma maneira complementar ao que se vê nas pesquisas realizadas pelas empresas.

Nesse último caso, as pesquisas acontecem para atender demandas comerciais bem definidas e identificadas. Elas são essenciais, pois justamente transformam o conhecimento científico puro em produtos que beneficiarão as pessoas e outras empresas. Entretanto elas dependem de uma pesquisa de base, realizada justamente na universidade, sem a exigência premente de gerar produtos.

Justamente aí reside a sua força, pois os pesquisadores podem explorar conceitos e desenvolver ideias que considere interessantes por si só. “A pesquisa acadêmica tem a vantagem de ser independente, na medida em que você pesquisa o que tem vontade de pesquisar”, explica o professor Hermes Renato Hildebrand, que também coordenou uma mesa no evento.

A pesquisa acadêmica caminha, portanto, lado a lado com a realizada pelas corporações. Sem a primeira, a segunda aconteceria de maneira muito mais lenta e onerosa para as empresas, e algumas das maiores inovações da humanidade talvez jamais acontecessem. E todas as áreas são importantes: nenhuma pode ter privilégio sobre as demais, especialmente na realidade em que vivemos, em que tudo se conversa e se complementa.

“Não dá mais para olhar o mundo sob o aspecto de uma especificidade, de uma temática, de uma disciplina, de uma maneira cartesiana, linear, reducionista”, diz Hessel. “Só o conhecimento é o caminho para sermos mais humanos e sermos melhores e preservar as gerações que ainda estão por vir.”


E aí? Vamos participar do debate? Role até o fim da página e deixe seu comentário. Essa troca é fundamental para a sociedade.


Artigos relacionados:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.