Não, o Coringa do cinema não cria sociopatas

Não, o Coringa do cinema não cria sociopatas

Paulo Silvestre

08 de outubro de 2019 | 08h00

Foto: divulgação

Tenho lido muito que o Coringa, protagonista do filme homônimo que estreou na quinta, poderia influenciar pessoas a cometer crimes. Por isso, o filme foi vetado em alguns cinemas e, nos EUA, até o Exército foi mobilizado para conter eventuais tumultos.

No sábado, fui conferir quanto disso faz sentido. O que encontrei foi uma obra-prima, um drama com um ótimo roteiro, muito bem dirigido e com uma trilha sonora impactante. Sim, é possível criar empatia com o protagonista no início, pelas incontáveis agressões que a sociedade lhe impõe. Mas não vejo alguém se tornando um sociopata por conta disso.

Temo muito mais a desinformação que impera nas redes, as notícias falsas que se tornam “verdades” graças à manipulação de algoritmos por grupos que confundem a população para atingir o poder. Temo também vivermos em uma sociedade que continua sendo massacrada por uma crise de mais de cinco anos, em que muitos acham que a violência e as armas são uma solução. Isso, sim, pode criar criminosos, como também deprimidos e suicidas.

Ah, e pintou o vencedor do Oscar de melhor ator no ano que vem. No ano passado, eu havia apostado em Rami Malek, como Freddie Mercury. Será que acertarei de novo, com Joaquin Phoenix monstruosamente brilhante como Coringa?

Tudo o que sabemos sobre:

violênciadepressãoCoringaPaulo Silvestre

Tendências: