O nosso papel na guerra de Putin e na Terra Plana

O nosso papel na guerra de Putin e na Terra Plana

Paulo Silvestre

21 de março de 2022 | 07h33

O presidente russo, Vladimir Putin, discursou em um estádio lotado de apoiadores na sexta sobre sua visão do que é certo e verdadeiro

O presidente russo, Vladimir Putin, discursou em um estádio lotado de apoiadores na sexta sobre sua visão do que é certo e verdadeiro

 

Nessa sexta, o presidente russo, Vladimir Putin, discursou em um Estádio Lujniki lotado de apoiadores, em comemoração ao oitavo aniversário da anexação da Crimeia pela Rússia. Muitos se perguntam indignados como ele consegue encher o palco da final da Copa do Mundo de 2018 com um discurso ultranacionalista, enquanto o mundo assiste aterrorizado à destruição da Ucrânia.

Cada um de nós participa um pouco dessa resposta. Ela contém os mesmos elementos que fazem com que parcelas significativas da população sejam contrárias a vacinas e até mesmo acreditem que a Terra seja plana.

Os que se sentem ultrajados com o “sucesso” de Putin zombam dos terraplanistas sem perceber que se trata do mesmo mecanismo de distorção da realidade e sem fazer nada para combatê-lo. E aí reside um dos grandes riscos atuais para a humanidade.


Veja esse artigo em vídeo:


Putin falou da guerra na Ucrânia, que ele insiste em chamar de “operação militar especial”, e prometeu que continuará até atingir seus objetivos. Mas escondeu da população o que realmente quer e principalmente que está enfrentando grandes revezes na invasão. Enquanto isso, protestos contra a guerra continuam em várias cidades, inclusive na capital Moscou, resultando em quase 20 mil pessoas já presas. Pode parecer muito, mas a imensa maioria dos russos continua alheia ao que realmente acontece e, assim, apoiam Putin.

Claro que essa é uma situação extrema: uma guerra em que o agressor é uma potência militar, dona do maior arsenal nuclear do mundo. Existe também uma força bruta de manipulação do governo, que asfixia os veículos de comunicação independentes e censura as redes sociais.

Mas a distorção da realidade permeia o nosso cotidiano em coisas aparentemente inofensivas e até divertidas. Muitas vezes, ela começa como uma brincadeira ou uma bravata de um grupo. Mas o meio digital tem o poder de transformar mesmo a mais completa loucura em uma bandeira para muita gente. E aqueles que percebem o problema acabam sendo parte dele, quando não se posicionam adequadamente.

Foi assim que a ideia de que a Terra é plana ficou tão forte. Ela contraria um fato científico fartamente demonstrado e observado. Ainda assim, 2% dos americanos afirmam que a Terra é um disco, enquanto outros 5% não têm certeza do formato.

No Brasil, a situação é ainda mais dramática: em 2019, 7% dos brasileiros afirmavam que a Terra era plana, e 3% não tinham certeza. Apenas dois anos depois, uma pesquisa do Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação constatou que os terraplanistas brasileiros haviam saltado para 22,2% da população, quase 50 milhões de pessoas!

A despeito da histórica baixa qualidade de educação brasileira, não se pode creditar apenas a ela essa aberração social, mesmo porque muitos terraplanistas cursaram faculdades. O ser humano tem uma tendência a acreditar e apoiar aquilo que mais lhe convier, mesmo que seja uma estupidez. Mas, de uns anos para cá, observa-se o uso das redes sociais para legitimar qualquer ideia, com grande apoio popular. Entre elas, estão racismo, homofobia e machismo.

 

O poder do “based”

Qualquer um pode lançar uma dessas teorias nas redes. Quanto mais alicerçadas em fortes convicções, preferencialmente se se contrapuserem ao pensamento dominante científico, progressista e politicamente correto, mais chance de atingirem sucesso. Criou-se até um gíria para definir essa capacidade de defender cegamente uma ideia, sem se preocupar com o que outras pessoas pensarão: “based”, que não é traduzida nem em publicações em português.

Essa postura ficou muito popular entre jovens em comunidades online e se espalhou para diversos temas. O domínio da linguagem e das plataformas digitais promoveu essas pessoas, que se apresentam como “genuínas” e que falam sem medo aquilo que consideram certo, ignorando quem pense de maneira divergente. Disso vem o combustível do terraplanismo e movimentos contrários a vacinas. E muitos políticos perceberam o incrível poder de convencimento e adotaram uma postura “based”.

Outro estudo de 2021 detalhou muito bem como uma sociedade pode tomar decisões que coloquem em risco sua sobrevivência, citando, como exemplo, a resistência às vacinas. Organizado pelo Instituto Alan Turing, órgão de ciência de dados e inteligência artificial do Reino Unido, explica o ataque deliberado à capacidade de se adquirir conhecimento. Para a líder do estudo, Elizabeth Seger, da Universidade de Cambridge, “mesmo que estivesse claro como salvar o mundo, um ecossistema de informações degradado e não confiável poderia impedir que isso acontecesse”.

Segundo a pesquisa, existem quatro principais ameaças nesse cenário, e nenhuma delas acontece ao acaso. A primeira são pessoas que atrapalham as tomadas de decisão, usando a desinformação. E nisso algumas pessoas agem de maneira consciente, enquanto outras espalham mentiras de forma inocente. Há ainda o excesso de informação a que somos submetidos, que sobrecarrega nossa capacidade limitada de concentração, dificultando separar verdades de mentiras. As pessoas também se acostumaram a rejeitar informações que desafiam seus pontos de vista, particularmente se houver uma forte identidade no grupo, criando o que os pesquisadores chamaram de “racionalidade limitada”. E, por fim, as redes sociais tornaram mais difícil avaliar a confiabilidade das fontes.

Em outras palavras, quando não sabemos em quem confiar, confiamos naquilo que nos mostra o mundo como gostaríamos que fosse. E isso nos leva a outro termo dessas comunidades: “red pill”, uma referência ao filme “Matrix” (1999), que desnudava, a quem a tomasse, o mundo como ele realmente era, e não como o “sistema” mostrava. Isso esconde uma incrível ironia, pois os autodenominados “redpillados” querem forçar um mundo como gostariam que fosse, e não a realidade.

Não se pode deixar de relacionar tudo isso com aquele que deve ser um dos temas mais quentes dessa semana: as consequências do pedido de bloqueio do Telegram pelo STF (Supremo Tribunal Federal), que acabou caindo nesse domingo, depois que o aplicativo resolveu acatar os pedidos da Justiça. Por sua política de tradicionalmente não interferir nas conversas de seus usuários e de não colaborar com autoridades, a plataforma se transformou no destino preferido de pessoas adeptas a teorias da conspiração e crimes, apesar de obviamente a imensa maioria de seus usuários ser composta de pessoas decentes.

A motivação da corte é combater a desinformação, que pode causar enormes danos ao Brasil, especialmente em um ano eleitoral. Mas combater as fake news, apesar de necessário, é apenas cuidar do sintoma, deixando a causa intocada. Enquanto novas pessoas forem aliciadas para as colunas das realidades distorcidas, sempre haverá novas formas para retroalimentar suas teorias e se atingir os mais nefastos objetivos.

E que fique claro: essas pessoas não são “um bando de ignorantes” ou “palhaços inofensivos”. Muito menos são inimigos! Não devem ser ridicularizados e, em hipótese alguma, desprezados. Precisam ser trazidas para o debate para que lhes seja explicado, com termos que entendam e analisando seus valores, por que aquelas ideias são nocivas para a sociedade e como aquilo lhes prejudicará a longo prazo.

E isso é algo que todos nós podemos e devemos fazer.

Pode parecer uma tarefa inglória, que exige uma energia e uma paciência quase infinitas. Mas não se pode desistir, pois a vitória desses grupos significaria a ruína da civilização. E, se serve de modelo, pode-se olhar para a Alemanha, berço do nazismo e hoje um país que combate fortemente aqueles valores, que nas décadas de 1930 e 1940 foram abraçados pela população: tudo em nome de um líder “based”.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.