O que o mundo perdeu em uma década sem Steve Jobs

O que o mundo perdeu em uma década sem Steve Jobs

Paulo Silvestre

04 de outubro de 2021 | 06h34

Pouquíssimas pessoas podem dizer que mudaram o mundo uma vez com suas ideias ou suas ações. Steve Jobs fez isso três vezes!

Nesta terça, sua morte completa dez anos. Mas seu legado continua em nosso cotidiano e seu pensamento inspira novas gerações de empreendedores, inventores e executivos. Isso não deixa de ser curioso, pois Jobs não era um gênio da tecnologia ou sequer um bom gestor de pessoas.

Pelo contrário, sua personalidade colérica e sua absoluta falta de tato são amplamente conhecidas e suas habilidades técnicas eram bem comuns. É de se perguntar, então, como ele conseguiu fazer tudo que fez a despeito dessas aparentes limitações, e por que pessoas muito mais preparadas não chegam nem aos pés disso.

A resposta passa por uma frase dele que fica ainda mais emblemática nessa data: “lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que conheço de evitar a armadilha de pensar que você tem algo a perder.”


Veja esse artigo em vídeo:


Muitos diriam que Jobs tinha muito a perder, sim! Afinal, ele havia criado a Apple em 1977, uma empresa bilionária a partir de um invento de seu brilhante amigo Steve Wozniak, construído na garagem de seus pais. Para quase todo mundo, esse já seria o sonho de uma vida, e fariam de tudo para evitar riscos que pudessem ameaçar essa posição.

O invento em questão resultou no Apple II, primeiro produto da empresa. Wozniak o construiu como um hobby de eletrônica. Mas quando Jobs conheceu a máquina, enxergou nela a possibilidade de levar a informática para dentro das casas e das pequenas empresas.

Ou seja, viu muito além da tecnologia e do produto: viu a chance de mudar o mundo! E fez exatamente isso.

Jobs não deixava de correr riscos, apesar de já ter “vencido na vida”. Para ele, a inovação distinguia um líder de um seguidor. Mesmo com o sucesso estrondoso do Apple II, ele queria que a tecnologia fosse ainda mais democrática, mais fácil para o cidadão comum.

Por isso, quando soube dos desenvolvimentos de engenheiros da Xerox no icônico Laboratório de Pesquisa de Palo Alto (Califórnia, EUA), ficou alucinado. Eles haviam construído um computador que podia ser operada por uma interface gráfica, e não mais por comandos pouco intuitivos em uma tela de texto verde. Ironicamente, os diretores da Xerox não viram valor comercial naquilo, e concordaram em ceder a tecnologia para a Apple.

Com a interface gráfica e uma grande inovação da época, o mouse, Jobs lançou o Apple Lisa (1983) e o Macintosh (1984). E, com esse último, mudou novamente o mundo, ao tornar a informática algo fácil de usar por qualquer um.

 

Céu e inferno

Apesar de estar no seu auge, em 1985 Jobs acabou escorraçado da empresa que fundou pelo CEO que havia contratado pouco tempo antes: John Sculley. Vindo da Pepsi, o executivo não concordava com os riscos e com o estilo de Jobs.

Entretanto, sob a administração de Sculley e de seu sucessor, Gil Amelio, a Apple entrou em profundo declínio, chegando à beira da falência. A empresa começou a se ver apenas como mais um fabricante de computadores e, com isso, não conseguia fazer frente a concorrentes como a IBM ou a Compaq.

Por uma incrível sucessão de fatos, Jobs acabou voltando à empresa em 1997. Depois de se livrar de todos seus desafetos, ele praticamente recriou a Apple, uma vez mais com o foco na inovação. Novamente não bastava que seus produtos fossem inovadores: eles precisavam transformar a vida das pessoas.

O primeiro resultado disso foi o iMac, lançado em 1998. Mas depois vieram muitas outras inovações maiúsculas: o iPod (2001), o iPhone (2007) e o iPad (2010). Como produtos, todos eles representaram sucessos estrondosos, mas foi com o iPhone que Jobs mudou o mundo pela terceira vez: as pessoas passaram a ter, literalmente nas palmas de suas mãos, um computador incrivelmente poderoso, muito fácil de usar e constantemente conectado à Internet. E isso mudou a maneira como fazemos tudo!

Olhando para trás, nada disso parece assim tão incrível. Mas essa percepção vem do fato de que tudo isso está absolutamente disseminado em nossas vidas. Como Jobs disse em seu memorável discurso aos formandos da Universidade de Stanford em 2005, “Você não pode conectar os pontos olhando para a frente; você só pode conectá-los olhando para trás. Portanto, você tem que confiar que os pontos se conectarão de alguma forma no seu futuro.”

Pouco antes de morrer, Jobs escolheu Tim Cook para sucedê-lo como CEO da Apple. Apesar de ele ser muito competente e fiel às ideias de Jobs, e de a Apple não parar de crescer, muita gente acha que a empresa perdeu a capacidade de realmente mudar a vida das pessoas. E, de fato, tudo que foi lançado nessa década pela Apple acaba sendo versões melhoradas do que já existia.

Sem querer incensar os feitos do falecido, a Apple –e, de certa forma, o mundo– carece de pessoas capazes de olhar além de seus objetivos, de suas empresas, de seus produtos, de suas tecnologias. Mesmo com seu egocentrismo, Jobs olhava para os clientes, as pessoas e o mundo.

 

Pense diferente

Tanto é assim que, quando Jobs voltou à Apple, a empresa lançou a campanha de marketing “Think Different” (ou “Pense Diferente”). O comercial trazia imagens com personalidades do século XX, como Albert Einstein, Bob Dylan, Martin Luther King Jr., John Lennon, Mahatma Gandhi e Pablo Picasso.

O narrador dá a entender que todos eles, cada um a sua maneira, viveram suas vidas sem se preocupar em seguir as regras ou agradar os outros. Por isso, dava para gostar deles ou criticá-los, mas era impossível ignorá-los, pois eles empurraram a raça humana para frente. E terminava dizendo: “Enquanto alguns os veem como loucos, nós vemos gênios. Porque as pessoas que são loucas o suficiente para achar que podem mudar o mundo são as que, de fato, mudam.”

Essa mensagem pode definir a cabeça de Steve Jobs e por que, afinal ele era tão especial, apesar de todos seus problemas. Mudanças verdadeiras exigem que façamos movimentos ousados, inclusive –e talvez principalmente– aqueles que as pessoas a nossa volta considerariam loucura.

De volta ao discurso de 2005 em Stanford, Jobs conclui sua fala citando uma frase da última edição do “Catálogo do Mundo Inteiro”, uma publicação de contracultura, que circulou entre 1968 e 1972. Ela dizia: “Permaneça faminto. Permaneça tolo.”

Em um mundo que parece que se perdeu de valores que realmente importam, em que o egoísmo está em alta e onde as pessoas não sabem para onde seguir, essas palavras que conclamam a continuar buscando insaciavelmente pelo novo, mesmo quando parece tolice, se tornam ainda mais importantes.

Ainda há o que aprender com Steve Jobs.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.