O toque do ódio nas redes e seus “comunistas”

O toque do ódio nas redes e seus “comunistas”

Paulo Silvestre

07 de junho de 2021 | 07h52

Em uma época em que a destruição de reputações nas redes sociais se transformou em uma política de Estado, dois acontecimentos recentes me chamaram a atenção, pois as vítimas foram envolvidas em tramas que não pediram para entrar. E isso é algo que, cada vez mais, pode atingir qualquer um de nós.

Na quarta passada, a médica infectologista Luana Araújo depôs na CPI da Covid. Sua fala na comissão foi brilhante pela qualidade técnica e pela didática cristalina.

Apesar disso (e talvez justamente por isso) e de ser formada em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e pós-graduada pela prestigiadíssima universidade Johns Hopkins (Estados Unidos), ela passou a ser atacada nas redes sociais por pessoas que querem desqualificar sua fala, até mesmo questionando sua formação acadêmica.

Também na semana passada, os jogadores da seleção brasileira de futebol disseram ser contrários à mudança recente da sede da Copa América, que agora será realizada no Brasil, depois da Colômbia abrir mão do torneio pela crise política que passa, e da Argentina fazer o mesmo pela piora dos números da pandemia no país.

A revolta da equipe foi defendida pelo técnico da Seleção, Tite. Apesar de comedido, ele vem sendo “fritado” nas redes sociais pelos mesmos motivos obscuros que tentam desqualificar Luana Araújo.

São duas pessoas muitos diferentes, mas vítimas de um mesmo sistema nefasto.


Veja esse artigo em vídeo:


Apesar de esses ataques serem extremamente cruéis, pela sua virulência e por não dar às vítimas qualquer espaço de defesa, eles acontecem cada vez mais e atingem qualquer um que cruze os interesses do governo federal, ainda que sem nenhuma intenção. As redes sociais são as ferramentas para esse grosseiro atentado à democracia e essas plataformas têm feito quase nada para evitá-lo.

Fico impressionado também com a prostituição do termo “comunista”. Na mente doentia dessas patrulhas ideológicas, ele se transformou em uma espécie de insulto generalista e acéfalo aplicado naqueles que desagradem as pautas desses grupos, que, aliás, variam ao sabor do vento ou de interesses de seus representantes máximos.

Entre os que já foram classificados como “comunistas” pelas hordas desmioladas nas redes sociais, estão o multibilionário e fundador da Microsoft Bill Gates, o megainvestidor e filantropo George Soros, o economista conservador Francis Fukuyama, os cantores Roger Waters e Madonna, o ator Leonardo DiCaprio e até –pasmem!– a política de extrema-direita francesa Marine Le Pen. Entre as empresas “comunistas”, estão o Facebook, o Twitter, The New York Times, a revista Economist e a Rede Globo. Nem a ONU ou a OMS escaparam do rótulo. Fico pensando que, se Peter Drucker, o pai da administração moderna, ainda estivesse vivo, ele também seria um “comunista”.

Não sei o que mais me espanta: o desconhecimento básico do significado do termo (até mesmo ao aplicá-lo a qualquer uma dessas pessoas ou organizações) ou sua transformação em um xingamento. Falta a esses agressores o mais básico conhecimento de História, que, diga-se de passagem, parece ter se tornado uma “disciplina de comunistas”.

 

Como chegamos a isso?

Há uma década, o ativista digital americano Eli Pariser cunhou o termo “filtro bolha”. Ele explicava, já naquela época, que esse mecanismo deriva dos algoritmos de relevância das redes sociais, que impedem que as pessoas vejam pontos de vista diferentes dos seus. Como resultado, os indivíduos vão se tornando cada vez mais limitados intelectualmente, abrindo espaço para o controle ideológico que enfrentamos hoje.

Ele não estava sozinho em pensamentos como esse. Em 2015, quando recebeu o título de doutor honoris causa em Comunicação e Cultura na Universidade de Turim (Itália), Umberto Eco discursou dizendo que as redes sociais haviam dado voz a uma “legião de imbecis”, antes restrita a “um bar e depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a coletividade.” O escritor e filósofo italiano afirmou ainda que “eles eram imediatamente calados, mas agora eles têm o mesmo direito à palavra que um Prêmio Nobel” e que “o drama da Internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade.”

Sem dúvida nenhuma, as redes sociais estão no centro dessa destruição do tecido social. Ironicamente, tornaram-se reféns do que viabilizaram. Por criarem mecanismos para tentar combater a desinformação e o discurso de ódio, agora são paradoxalmente atacadas por aqueles que delas dependem para continuar manipulando as massas, que as rotulam de “comunistas”.

Parte da inspiração para esse artigo foi um outro, que publiquei na quinta passada no LinkedIn, onde analisei por que o Twitter, que completou 15 anos em março, passa por uma séria estagnação em sua base de usuários há muito tempo. E isso coincide com a ascensão do ex-presidente americano Donald Trump, que deve grande parte da sua popularidade à plataforma, que sempre deixou que ele a usasse para disseminar suas ideias, atacar seus desafetos e destilar seu veneno.

Isso transformou uma das redes sociais mais inovadoras e democráticas já criadas em um monstrengo perigoso, um espaço tóxico e insalubre de troca de insultos, assassinatos de reputação e disseminação de todo tipo de mentira. Quando o Twitter e as outras redes resolveram reagir, já era tarde demais. Suas plataformas já haviam sido tomadas de assalto pelas hordas da desinformação e do ódio.

Trump e outros presidentes semelhantes ao redor do mundo começaram a ter suas publicações removidas ou marcadas como mentirosas, mas isso não foi suficiente. Depois que deixou a Casa Branca, em janeiro, ele foi banido das principais redes sociais. Mas o estrago já estava feito: esses políticos já haviam mostrado a seus apoiadores como usar as sementes da intolerância para atingir seus objetivos.

Isso me lembra do curta-metragem “For the Birds”, lançado pela Pixar no ano 2000. Antes da criação do LinkedIn (2002), do Facebook (2004), do YouTube (2005) e do Instagram (2010), e muitos anos antes da consolidação das “fake news”, os pássaros da Pixar explicaram, de maneira bastante didática, como os intolerantes rejeitam e isolam gratuitamente quem não se alinha a suas crenças. Eles se organizam e agem em torno do pensamento único e culminam com atitudes agressivas contra seus desafetos.

Pelo menos na animação, os intolerantes acabam se dando muito mal. Não podia ser diferente: a Pixar deve estar tomada por “comunistas”!

Eu riria dessa ignorância monstruosa, se ela não fosse, na verdade, uma terrível ameaça para a nossas vidas. Caminhamos para o cadafalso que pode decapitar a própria democracia, jogando o Brasil de vez em um abismo moral do qual demoraremos muitos anos para nos reerguer.

A maioria da população, os “comunistas”, vem levando seus dias com um misto de incredulidade, de revolta e de impotência diante do show de horrores cotidianos. A outra parte, minoritária porém extremamente barulhenta, por se sentir incentivada e protegida pela desinformação, segue em uma espécie de Carnaval-zumbi, carregando seu Rei Momo e escolhendo novos desafetos a cada dia, para atacar gratuitamente sua reputação.

Lamentavelmente as redes sociais continuam sendo palco dessa barbárie ideológica, que tenta destruir pessoas e instituições que deveriam ser premiadas por sua inteligência, integridade e ética. Essas plataformas e a sociedade precisam reagir, para que vejamos um final contra a intolerância pelo menos semelhante ao do curta-metragem da Pixar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.