Os reis de seus pequenos castelos digitais

Os reis de seus pequenos castelos digitais

Paulo Silvestre

20 de setembro de 2021 | 06h40

Na última quarta, dia 15, foi o Dia da Democracia. Mas infelizmente não houve muito a se comemorar. Desde o fim da ditadura, a democracia brasileira nunca esteve sob ataque tão cerrado. Ironicamente, quem perpetra esses ataques não são aqueles que querem chegar ao poder, e sim os grupos que já estão nele. E esse campo de batalha se dá nas redes sociais.

Goste-se ou não do atual governo, é inegável que se trata de um case de sucesso global no uso dessas plataformas para atingir seus objetivos. Pela primeira vez desde a redemocratização, um grupo chegou ao poder sem depender do Horário Eleitoral Gratuito. Até então, quem tinha mais tempo na TV e no rádio ia pelo menos ao segundo turno, o que não aconteceu na última eleição presidencial.

O governo nada de braçada em algo que quase todas as pessoas e empresas apenas molham os pés: o uso do meio digital para apresentar suas ideias e conseguir clientes (no caso, eleitores). De fato, os algoritmos dessas redes têm o poder supremo de decidir quem vai se tornar o rei de um pequeno castelo digital e quem vai se afogar no raso. Dominá-los se tornou essencial!

Mas há um outro fator normalmente negligenciado pela maioria. Pode-se usar uma grande quantidade de robôs ou as técnicas mais eficientes para se colocar os algoritmos de joelhos. Mas de nada adiantarão se não se oferece algo que agrade uma massa crítica de pessoas.

No final das contas, nenhum rei se mantém no trono sem súditos.


Veja esse artigo em vídeo:


O atual governo executa as duas coisas muito bem, daí seu sucesso. Aprendeu, desde antes da eleição, como usar a seu favor algoritmos criados pelas redes sociais para vender todo tipo de quinquilharia. Assumiu, sem pudor, que é um “produto” e que, como tal, deve ser embalado seguindo os desejos de seus “consumidores”.

Bastava identificar uma demanda fortíssima de uma grande quantidade de pessoas. No caso, foi o repúdio ao governo anterior. Massacrou então os algoritmos com a ideia do “salvador do antipetismo”, usando robôs, muito dinheiro e um uso eficiente dessas plataformas. A partir daí, os algoritmos fizeram o trabalho sujo de impregnar as mentes da massa crítica popular suficiente para vencer a eleição. Uma vez eleito, a mesma tática é usada para se manter no seu castelo.

Em janeiro, a Universidade de Oxford (Reino Unido) divulgou o estudo “Desinformação industrializada: inventário global de manipulação de mídia social organizada”. A partir de dados de 2020, concluiu que essas táticas vêm sendo usadas por cada vez mais governos: em 2019, foram 70 países; no ano seguinte, já eram 81.

O Brasil ocupa o grupo intermediário na desinformação, segundo o estudo. No país, as “tropas cibernéticas” (como os autores chamam os apoiadores dos grupos de poder nas redes) se dedicam principalmente a atacar opositores do governo e aumentar a polarização na sociedade. E seu principal recurso são as fake news.

Esse grupo intermediário é formado por 37 países. Conosco também estão, por exemplo, Austrália, Bolívia, Cuba, Hungria, Polônia, México, Síria e Turquia. No grupo de 17 países com “alta capacidade de desinformar”, estão grandes potências, como Estados Unidos, China, Reino Unido e Rússia, ao lado de nações que tradicionalmente combatem a democracia, como Venezuela, Irã e Iraque.

Vale notar que os países onde a democracia aparece mais atacada pelas “tropas cibernéticas” no estudo de Oxford são os mesmos em que a população acredita pouco na imprensa, apontados no relatório “Trust Barometer”, divulgado em março pela consultoria Edelman. A única exceção é a China, em que 70% da população acredita na mídia, mas ela é fortemente controlada pelo governo, o que reforça a tese de Oxford que os governos autoritários combatem a imprensa livre.

 

Empresas e profissionais

Os algoritmos das redes sociais não são necessariamente maquiavélicos, a serviço do mau. Apesar de serem frequentemente associados à manipulação política e comercial, como qualquer ferramenta, dependem do uso que se faz deles.

Como expliquei nesse mesmo espaço há duas semanas, cabe às empresas que são donas dessas plataformas criarem mecanismos para evitar que esses recursos sejam usados como aparecem no estudo de Oxford. Elas vêm investindo bastante nisso, mas ainda falham, em parte porque a essência do seu negócio passa por essa manipulação para se vender anúncios assertivos.

Qualquer profissional ou empresa pode se beneficiar desses sistemas se entender seu funcionamento e, a partir disso, oferecer um conteúdo que atenda a demandas do seu público. E isso passa pelo alinhamento dos valores da empresa com os dos seus clientes. Quem fizer isso pode subitamente experimentar uma grande exposição nas redes sociais, positivas para qualquer negócio.

O risco de se conseguir esse sucesso repentino é ficar muito dependente dele. Da mesma maneira que ele vem “do nada”, pode desaparecer sem explicação aparente.

Isso acontece porque as plataformas digitais estão continuamente alterando as regras do que privilegiam em seus algoritmos de relevância. Por isso, uma atuação nas redes sociais que funciona muito bem hoje pode falhar amanhã.

Foi o caso de um grande grupo editorial brasileiro que viu, em 2018, sua audiência desabar 70% literalmente da noite para o dia! Eles tinham uma grande visitação por terem “dominado” o algoritmo do Google. No dia em que o buscador fez uma mudança em seus códigos, toda aquela “mágica” se perdeu, e a empresa precisou reaprender como aparecer bem nas respostas.

No final das contas, buscar uma grande exposição digital é mais que bem-vinda: tornou-se necessária nesse mundo em que negócios se constroem de maneira cada vez mais digital. Mas não se pode apostar todas as fichas nesse meio. Da mesma forma que as plataformas colocam um rei no seu pequeno castelo, elas podem derrubá-lo do trono!

 

Cortina de fumaça

Cada um de nós, como eleitores e como consumidores, precisa aprender a identificar e compreender o que as redes sociais nos jogam na cara. Em parte, a eficiência do controle dos algoritmos sobre nós se dá por não percebermos o que acontece.

“Como essas medidas são levadas a cabo gradativamente e com aparência de legalidade, a deriva para o autoritarismo nem sempre dispara as sirenes de alarme”, explica o professor de Harvard Steven Levitsky, em seu best-seller “Como as Democracias Morrem”. Segundo ele, “os cidadãos muitas vezes demoram a compreender que sua democracia está sendo desmantelada, mesmo que isso esteja acontecendo bem debaixo do seu nariz.”

É isso que não podemos deixar acontecer! Os algoritmos nos controlam apenas se permitirmos isso. Precisamos exercitar nosso senso crítico para não comprarmos qualquer coisa, seja um produto, seja um político, só porque a embalagem nos agrada e porque o mundo inteiro parece dizer que aquilo é bom.

Não é! E, ao contrário do que parece, só uma parte das pessoas afirma aquilo.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.